Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Ação policial coordenada prende mais de 80 membros da máfia italiana na Europa

JEAN-PHILIPPE KSIAZEK/AFP/Getty Images

A temida máfia italiana 'Ndrangheta, considerada uma das maiores redes de crime organizado do mundo, foi o alvo de uma ação policial que envolveu vários países da Europa e que resultou na prisão de mais de 80 pessoas. O procurador-geral italiano não considera, porém, que esta ação vá prejudicar as ações desta organização

Depois de terem sido divulgadas imagens da detenção de um dos mais temidos chefes da máfia siciliana, Settimo Mineo, menos de 24 horas depois chegam as notícias de que esta não foi uma ação isolada, mas um plano muito mais vasto, organizado por várias polícias europeias e cujos objetivos parecem ir além da simples identificação e prisão de alguns nomes sonantes.

Esta quarta-feira, mais de 80 pessoas foram presas numa ação coordenada pela Interpol e pelo Eurojust, a maioria acusada de envolvimento em tráfico de droga e lavagem de dinheiro. Na terça-feira tinham sido presas outras 45. As buscas aconteceram quase ao mesmo tempo na Alemanha, Itália, Bélgica e Holanda mas o alvo continua a ser só um: a poderosa máfia italiana 'Ndrangheta, com “quartel-general” na Calábria, mas considerada pelas autoridades como uma das mais perigosas organizações criminosas do mundo e a única que opera em todos os continentes.

A Europol apelidou esta operação de “decisiva” contra “uma das organizações criminosas mais perigosas do mundo”, mas o procurador-geral italiano, Federico Cafiero De Raho, conhecido por ser inclemente com membros da Máfia, disse que esta ação pouco afetaria a rede criminosa: “Isto não é nada para a 'Ndrangheta. Há milhares de pessoas que deviam ser presas e muitos milhares de milhões de euros que deveriam ser apreendidos”, disse De Raho na Haia.

Estas prisões são o culminar de uma investigação, com o nome de código ‘Pollino’, que começou quase há três anos.