Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Quénia. Voluntária italiana sequestrada em alegado ataque terrorista que fez cinco feridos

A mulher de 23 anos trabalha para a Africa Milele Onlus, uma organização não-governamental cuja missão é aumentar os níveis de alfabetização e educação em Chakama. Os feridos encontram-se hospitalizados e dois deles estão em situação crítica. A zona do ataque desta terça-feira fica perto da área de influência do grupo terrorista Al-Shabaab

Cinco pessoas ficaram feridas e uma trabalhadora humanitária italiana foi sequestrada num alegado ataque terrorista, esta terça-feira à noite, num complexo comercial do Quénia. Os atacantes, que a polícia descreveu como “bandidos”, invadiram o complexo na região de Makongeni, a cerca de 80 quilómetros a oeste da cidade de Melinde.

Em declarações ao jornal queniano “Daily Nation”, moradores da zona disseram que 80 homens “fortemente armados” atacaram por volta das 20 horas e começaram a disparar para o ar. “Depois sequestraram a jovem italiana, que trabalha como voluntária na área”, informou um residente local sob anonimato.

A mulher de 23 anos trabalha para a Africa Milele Onlus, uma organização não-governamental cuja missão é aumentar os níveis de alfabetização e educação em Chakama.

No Twitter, o serviço nacional de polícia informou, esta quarta-feira, que os agressores “dispararam indiscriminadamente sobre os moradores” e identificou os cinco feridos.

Os feridos, entre os quais se encontram duas crianças, foram transportados para o hospital e, na manhã desta quarta-feira, fontes disseram ao “Daily Nation” que dois deles se encontram em situação crítica.

Quando a polícia chegou ao local, os homens armados já tinham atravessado o rio Galana, revelou a fonte anónima ouvida pelo jornal.

A zona do ataque fica perto da área de influência do grupo terrorista Al-Shabaab.