Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Três homens que planeavam ataque em Melbourne foram presos e acusados de terrorismo

WILLIAM WEST/AFP/Getty Images

Australianos de ascendência turca, os homens foram presos em rusgas policiais. O grupo estava a ser seguido pelas autoridades desde o ano passado e recentemente os seus passaportes foram cancelados. No início deste mês, um homem matou uma pessoa e feriu outras duas com uma faca em Melbourne, acabando por morrer no hospital

A polícia australiana revelou esta terça-feira ter prendido três homens que planeavam cometer um ataque terrorista em Melbourne. O grupo tentava obter uma espingarda semiautomática para matar o maior número possível de pessoas num local lotado, disseram as autoridades.

Os suspeitos, com 21, 26 e 30 anos de idade, foram alegadamente inspirados pelo Daesh, o autoproclamado Estado Islâmico. O comissário-chefe Graham Ashton disse que os homens ainda não tinham definido um local para o ataque mas que o seu planeamento se intensificou nos últimos dias.

Os três homens, todos australianos de ascendência turca, foram presos em rusgas policiais no noroeste de Melbourne. Dois deles são irmãos, revelou a polícia. O grupo estava a ser seguido pelas autoridades desde o ano passado e recentemente os seus passaportes foram cancelados devido ao receio de que eles se envolvessem em atividades terroristas no exterior, acrescentou Ashton.

Ataque com faca matou uma pessoa e feriu outras duas no início do mês

“Se não tivéssemos agido cedo na prevenção deste ataque, as consequências teriam sido assustadoras”, disse o comissário assistente da polícia federal australiana, Ian McCartney. Os três homens foram acusados de crimes relacionados com terrorismo.

No início deste mês, um homem matou uma pessoa e feriu outras duas com uma faca em Melbourne no que a polícia classificou como um ataque terrorista. O suspeito foi alvejado pela polícia depois de ter tentado agredir as autoridades perto de um carro em chamas. “Um homem foi detido no local e foi transportado sob escolta policial para o hospital em estado crítico”, acrescentou a polícia.

O autor do ataque, entretanto reivindicado pelo Daesh, acabaria por morrer no hospital. O indivíduo não foi identificado mas sabe-se que era conhecido da polícia e dos serviços de contraterrorismo, e morreu cerca de 30 minutos depois de chegar ao hospital.