Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Mais de um século depois, os kiwis podem estar de regresso à capital da Nova Zelândia

Hannah Peters/Getty Images

As antigas aves noturnas, que não voam, estão ausentes de Wellington há mais de 100 anos. No entanto, com um amplo programa de construção de armadilhas para predadores, acredita-se que a capital neozelandesa estará pronta para a reintrodução do tímido pássaro nacional. As armadilhas serão construídas em 20 mil hectares de terras públicas e privadas

A Nova Zelândia aprovou um ambicioso projeto que visa reintroduzir o kiwi, a icónica ave nacional, na capital Wellington na próxima década. A notícia é avançada esta terça-feira pelo jornal inglês “The Guardian”, que recorda que existem 68 mil kiwis no país e que o número de aves está a cair a uma taxa de 2% ao ano.

Há um século, havia milhões de kiwis mas os ataques de cães, gatos, gambás, arminhos e ratos levaram a um enorme declínio da população. Estas antigas aves noturnas, que não voam, estão ausentes de Wellington há mais de 100 anos. No entanto, com um amplo programa de construção de armadilhas para predadores, acredita-se que a capital estará pronta para a reintrodução do tímido pássaro nacional.

No âmbito do programa, que está a ser coordenado por um consórcio de grupos de preservação da natureza, em 20 mil hectares de terras públicas e privadas em torno de Wellington serão construídas armadilhas nos próximos três anos para iniciar a reintrodução do kiwi.

Se o regresso da emblemática ave às áreas periféricas for bem-sucedido, o kiwi juntar-se-á a outros animais selvagens nativos que proliferam na capital. Graças a um programa de redução de pragas e aos efeitos de um santuário ecológico nas proximidades, o kaká (papagaio da Nova Zelândia) tem aparecido atrás de uma cervejaria, falcões têm sido vistos em parques urbanos e o kereru (espécie de pombo neozelandês) tem surgido em quintais.