Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

O Canadá legalizou a marijuana, mas onde está ela?

Kevin Cummins/Getty

Aproveitando carências talvez inevitáveis na altura em que se forma um novo mercado, os traficantes baixam os preços e melhoram a sua oferta

Luís M. Faria

Jornalista

O Canadá legalizou há três semanas o consumo de marijuana, mas os consumidores estão a deparar com um problema que já não tem a ver com polícia ou com fornecedores suspeitos: carências de fornecimento. Em pelo menos três províncias, a oferta está longe de corresponder à procura e já há quem regresse ao método antigo para conseguir obter o produto. Alguns traficantes, rápidos a perceber a oportunidade, aproveitaram para fornecer o produto mais barato e, nalguns casos, com o bónus da entrega em casa.

Um porta-voz da agência de Cannabis do Quebec sugeriu que a situação até certo ponto é natural: "Estamos a construir uma nova indústria legal e sabíamos que haveria problemas". Era expectável que o consumo subisse com a legalização, enquanto o mercado se ajusta. Mas o governo também é acusado de ser lento a licenciar produtores. A questão em parte tem a ver com estar em causa algo que é natural, com processos impossíveis de acelerar. As plantas não se fabricam instantaneamente, ao contrário de outras substâncias.

As dificuldades verificam-se sobretudo no Ontário, no Quebec e em New Brunswick. Uma vez superados estes problemas, espera-se que o mercado entre em velocidade de cruzeiro e que as vantagens da marijuana legal, em termos de saúde e não só, justifiquem uma alteração legal que esteve longe de ser isenta de polémica. Uma das vantagens, justamente, é o facto de acabar com o tráfico ilegal.