Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Jornalista da CNN é expulso da Casa Branca depois de ter sido insultado por Trump

MANDEL NGAN/AFP/Getty Images

A Casa Branca informou que o acesso foi suspenso porque Jim Acosta pôs “as mãos numa jovem mulher”, alegação que o jornalista e a estação de televisão dizem ser “mentira”. Durante a conferência de imprensa que precipitou a suspensão, o Presidente, questionado sobre a caravana de migrantes da América Central, disse que o jornalista era “rude e terrível”

A Casa Branca suspendeu esta quarta-feira a acreditação de um jornalista da CNN, após uma acesa troca de palavras com o Presidente dos EUA, Donald Trump. A porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, informou que o acesso foi suspenso porque o repórter, Jim Acosta, pôs “as mãos numa jovem mulher”, alegação que o jornalista e a estação de televisão dizem ser “mentira”.

Durante a conferência de imprensa que precipitou a suspensão, Trump disse que o jornalista era “uma pessoa rude e terrível”. É durante esta troca de palavras que uma assessora tenta tirar o microfone a Acosta, enquanto este tenta fazer uma segunda pergunta ao Presidente. O vídeo do incidente começou rapidamente a circular.

A porta-voz escreveu no Twitter que a Casa Branca “nunca tolerará que um repórter ponha as mãos numa jovem mulher que está apenas a tentar fazer o seu trabalho”. “O facto de a CNN se orgulhar da forma como o seu funcionário se comportou não é apenas repugnante, é um exemplo da sua ultrajante indiferença em relação a todos, incluindo jovens mulheres que trabalham nesta Administração”, acrescentou.

Também no Twitter, Acosta confirmou que foi impedido pelos serviços secretos de entrar nas instalações da Casa Branca.

Trump insultou o jornalista depois de este o ter confrontado com as suas mais recentes declarações sobre a caravana de migrantes que viaja a partir de vários países da América Central em direção aos EUA. “Já chega, já chega”, respondeu-lhe Trump, antes de lhe dizer para se sentar e largar o microfone. “A CNN devia ter vergonha de o ter a trabalhar para eles”, acrescentou Trump.

A estação de televisão esclareceu em comunicado que Acosta foi banido “em retaliação pelas suas perguntas desafiadoras”. “Na explicação, a porta-voz Sarah Sanders mentiu. Fez acusações fraudulentas e citou um incidente que nunca aconteceu”, referiu a CNN. Também a Associação de Correspondentes da Casa Branca classificou a decisão como “inaceitável” e exortou os responsáveis a “revertê-la imediatamente”.