Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Donald Trump afasta procurador-geral Jeff Sessions

Jeff Sessions e Donald Trump na tomada de posse do primeiro como Procurador Geral dos Estados Unidos

Win McNamee/Getty

Um dia após as eleições intercalares, o Presidente norte-americano anunciou no Twitter a demissão do procurador-geral dos EUA, Jeff Sessions. Matthew G. Whitaker será o sucessor

O procurador-geral dos EUA, Jeff Sessions, renunciou esta quarta-feira ao cargo, na sequência de um pedido de demissão por parte do Presidente norte-americano um dia após as eleições intercalares. “Caro Sr. Presidente, a seu pedido, estou a apresentar a minha renúncia”, escreveu Sessions na sua carta de demissão, citada pelo “New York Times”.

O anúncio foi feito esta tarde por Donald Trump num post no Twitter, onde agradeceu o trabalho realizado pelo procurador e desejou-lhe felicidades. Noutro post, o governante declarou que Matthew G. Whitaker, chefe de Gabinete do Procurador Geral Jeff Sessions no Departamento de Justiça, será o novo procurador-geral dos Estados Unidos. “Ele servirá bem o nosso país”, afirmou.

Inicialmente, o procurador-geral mostrou-se um forte apoiante das políticas de Trump, nomeadamente sobre a criminalidade e a imigração. Mas a relação entre Donald Trump e Jeff Sessions foi marcada depois por vários momentos de tensão, tendo o Presidente norte-americano dirigido por diversas vezes críticas ao procurador-geral demissionário. Segundo o jornalista Bob Woodward, autor do livro “Fear: Trump in the White House”,o Presidente dos EUA chegou a chamar “atrasado mental” ao procurador-geral, Jeff Sessions.

Incomodado com a investigação sobre a relação entre a Rússia e campanha para as Presidenciais norte-americanas, Trump manifestou-se insatisfeito com a atuação do Departamento de Justiça e Jeff Sessions, e pediu para serem abertos inquéritos sobre Hillary Clinton e outros democratas.

De acordo com a CNN, Matthew G. Whitaker deverá ter agora a cargo a investigação sobre a Rússia, assim como o procurador-especial Robert Mueller e o vice-procurador-geral, Rod Rosenstein.