Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Trump: “Tudo o que conseguimos está em jogo”. Obama: “Eleições podem ser as mais importantes das nossas vidas”

Getty Images

Nas eleições desta terça-feira nos Estados Unidos, estão em disputa todos os 435 lugares na Câmara dos Representantes, 35 dos 100 assentos no Senado e os governadores em 36 dos 50 estados. As eleições midterm decidirão que partido controlará as duas câmaras do Congresso. Trump disse à ABC que gostaria de ter tido “um tom muito mais suave” durante a sua presidência

“Tudo o que conseguimos está em jogo” nas eleições desta terça-feira para o Congresso. Foi desta forma que o Presidente dos EUA, Donald Trump, apelou ao voto no Partido Republicano na véspera de umas eleições que estão a ser vistas como um referendo à sua presidência e que o próprio assumiu como tal.

A capacidade de Trump governar nos últimos dois anos do seu mandato dependerá do resultado das eleições em que estão em disputa todos os 435 lugares na Câmara dos Representantes, 35 dos 100 assentos no Senado e os governadores em 36 dos 50 estados. As eleições midterm decidirão que partido controlará as duas câmaras do Congresso.

Também o antigo Presidente Barack Obama entrou na campanha e esta segunda-feira fez um apelo via Twitter:

“As eleições de amanhã podem ser as mais importantes das nossas vidas. Os cuidados de saúde de milhões estão no boletim de voto. Garantir que as famílias que trabalham recebem justamente está no boletim de voto. O caráter do nosso país está no boletim de voto”, escreveu.

Se os republicanos mantiverem o poder no Senado e na Câmara dos Representantes, fica aberto o caminho para se concretizar a agenda do partido e do Presidente. Contudo, se os democratas controlarem uma ou ambas as câmaras, terão a possibilidade de frustrar ou mesmo reverter os planos de Trump.

As sondagens sugerem que os democratas podem conquistar os 23 assentos necessários para assumir a maioria na Câmara dos Representantes e até 15 ou mais lugares extra. No entanto, não deverão conseguir conquistar as duas cadeiras que precisam para garantir uma maioria no Senado.

Em entrevista à ABC, Trump disse esta segunda-feira que gostaria de ter tido “um tom muito mais suave” durante a sua presidência. “Sinto que, até certo ponto, não tenho escolha. Mas talvez tenha e talvez pudesse ter sido mais suave desse ponto de vista”, referiu.