Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Oposição venezuelana anuncia protestos de rua em 13 dos 24 Estados do país

JUAN BARRETO/AFP/Getty Images

Estão previstas marchas e concentrações no próximo dia 8, pela “reconquista da democracia e do regime de liberdades”

A oposição venezuelana anunciou esta terça-feira que vai intensificar os protestos contra a crise política, económica e social na Venezuela, tendo programado para a próxima quinta-feira, dia 8, marchas e concentrações em 13 dos 24 Estados do país.

"Cada cidadão que se mobilize é mais um passo para devolver a democracia. A esperança tem que ser abraçada pelo povo venezuelano", disse o porta-voz da Frente Ampla Venezuela Livre (FAVL).

Rafael Veloz, que fez o anúncio dos protestos numa conferência de imprensa no Colégio de Engenheiros em Caracas, instou os venezuelanos a juntarem-se "ao protesto constitucional, rumo à reconquista da democracia e do regime de liberdades".

Os protestos, precisou, foram convocados para os Estados de Arágua, Miranda, Lara, Guárico, Yaracuy, Bolívar, Anzoátegui, Sucre, Apure, Monágas, Zúlia, Vargas e Portuguesa, sem precisar se vão aderir também residentes em Caracas, a cidade capital do país.

Por outro lado, explicou que os protestos têm ainda o propósito de solidarizar-se com os deputados Américo de Grazia e Andrés Velásquez, que o Governo venezuelano acusa de financiarem "máfias" nas minas de ouro venezuelanas, uma acusação que a oposição associa a uma retaliação por denúncias contra o regime.

Segundo a FAVL, entre os passados dias 29 de outubro e 5 de novembro registaram-se 163 protestos no país, 138 deles contra a falta de serviços públicos, designadamente o fornecimento de eletricidade, gás e água.

Esta terça-feira os trabalhadores do Metropolitano de Caracas saíram à rua na capital para protestar contra despedimentos injustificados de trabalhadores da empresa, alguns deles por denunciarem más condições salariais e de trabalho.