Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Enfermeiro que tratou atirador da sinagoga de Pittsburgh diz que não viu “mal” nos seus olhos

BRENDAN SMIALOWSKI/AFP/Getty Images

“O facto de eu ter feito o meu trabalho é digno de nota para as pessoas porque sou judeu”, escreveu Ari Mahler no Facebook, acrescentando: “Tudo o que vi foi uma clara falta de profundidade, inteligência e camadas palpáveis de confusão”, escreveu ainda. Morreram 11 pessoas naquele que é considerado o pior ataque antissemita na história recente dos EUA

O enfermeiro judeu que tratou Robert Bowers, o atirador acusado de matar 11 pessoas na sinagoga Tree of Life de Pittsburgh a 27 de outubro, diz que não viu “mal” quando olhou nos olhos de Bowers.

Num “post” publicado no Facebook uma semana depois do tiroteio, o enfermeiro Ari Mahler afirma ter sido motivado pelo amor, tendo tratado o atirador com tanta empatia e cuidado como trataria qualquer outra pessoa. “Estou certo de que ele não tinha ideia de que eu era judeu”, escreveu ainda.

Inicialmente relutante em partilhar a sua visão dos acontecimentos, Mahler disse que queria falar por si próprio, depois de os media americanos se terem referido a ele repetidamente como “o enfermeiro judeu que cuidou de Robert Bowers”. “O facto de eu ter feito o meu trabalho, que requer compaixão e empatia, é digno de nota para as pessoas porque sou judeu.”

“Tudo o que vi foi uma clara falta de profundidade, inteligência e camadas palpáveis de confusão”, escreveu ainda. O enfermeiro afirma ter ficado em “pânico”, “temendo que os [seus] pais fossem duas das 11 vítimas” de Bowers. Segundo Mahler, o suspeito, que gritava “morte a todos os judeus” quando foi levado para o hospital, agradeceu-lhe depois por ter ajudado a salvar a sua vida.

Bowers ficou ferido na troca de tiros com a polícia e está sob custódia desde o ataque. O suspeito declarou-se inocente das acusações decorrentes do tiroteio, que é considerado o pior ataque antissemita na história recente dos EUA. O motorista de pesados enfrenta 44 acusações de homicídio, crimes de ódio, obstrução de práticas religiosas e outros crimes.