Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Amnistia Internacional pede absolvição para os seus membros julgados na Turquia

Taner Kiliç, presidente honorário da Amnistia Internacional na Turquia, Idel Eser, ex-diretor da organização não-governamental nesse país, e nove outros defensores dos direitos humanos estão a ser julgados por acusações de “associação a organização terrorista” e serão ouvidos quarta-feira, em nova audiência de tribunal, em Istambul

A Amnistia Internacional pediu esta terça-feira que os tribunais turcos absolvam o presidente honorário daquela organização na Turquia, e dez defensores dos direitos humanos, julgados por ligações terroristas.

Taner Kiliç, presidente honorário da Amnistia Internacional (AI) na Turquia, Idel Eser, ex-diretor da organização não-governamental nesse país, e nove outros defensores dos direitos humanos estão a ser julgados por acusações de “associação a organização terrorista” e serão ouvidos quarta-feira, em nova audiência de tribunal, em Istambul.

“Sem um fragmento de evidência confiável apresentado para sustentar as acusações absurdas feitas contra eles, é hora de acabar com essa farsa judicial e absolver essas mulheres e homens que dedicaram suas vidas à defesa dos direitos de outros”, disse esta terça-feira Kumi Naidoo, secretário-geral da AI.

“Esses defensores dos direitos humanos acumularam mais de três anos atrás das grades. Nada pode trazer de volta esse tempo, mas o tribunal agora pode finalmente levantar a ameaça de condenação que desnecessariamente pairou sobre suas cabeças”, acrescentou Kumi Naidoo.

A AI recorda que, durante cinco audiências de julgamento já ocorridas anteriormente, “todos os aspetos do caso do promotor contra os defensores dos direitos humanos foram amplamente refutados”.

Taner Kılıç passou mais de 14 meses na prisão, antes de sua libertação sob fiança, em agosto.

A AI considera que Kiliç e os outros defensores dos direitos humanos são “símbolos poderosos do que está a acontecer sob um regime de repressão implacável na Turquia”.

Para assistir à audiência no tribunal, esta quarta-feira, a Amnistia Internacional enviou uma delegação que inclui representantes da organização de todo o mundo.