Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“A globalização económica está a enfrentar retrocessos”, queixa-se Presidente da China

Fred Dufour-Pool/Getty Images

Na abertura de uma exposição comercial em Xangai, Xi Jinping prometeu alargar o acesso ao mercado e reforçar a ação punitiva sobre infrações dos direitos de propriedade intelectual. As declarações surgem num momento de grande tensão entre a China e os EUA, que impuseram tarifas sobre produtos chineses no valor de 250 mil milhões de dólares

A China reduzirá as tarifas de importação e continuará a alargar o acesso ao mercado, anunciou esta segunda-feira o Presidente Xi Jinping na abertura de uma exposição comercial em Xangai. Até ao próximo sábado, a China International Import Expo (CIIE) reunirá milhares de empresas estrangeiras com compradores chineses numa tentativa de demonstrar o potencial importador da segunda maior economia do mundo.

Xi também prometeu acelerar a abertura dos setores da educação, telecomunicações e cultura, protegendo os interesses de empresas estrangeiras e reforçando a ação punitiva sobre infrações dos direitos de propriedade intelectual.

As declarações do chefe de Estado chinês surgem num momento de grande tensão entre a China e alguns dos seus maiores parceiros comerciais, particularmente os EUA, que impuseram tarifas sobre produtos chineses no valor de 250 mil milhões de dólares (cerca de 219 mil milhões de euros). A China retaliou com 110 mil milhões de dólares (cerca de 96 mil milhões de euros) em tarifas sobre produtos americanos.

Xi e Trump encontram-se este mês com ameaça de novas tarifas no horizonte

O Presidente dos EUA, Donald Trump, tem criticado a China pelo que apelida de roubo de propriedade intelectual, assim como pela aplicação de barreiras à entrada no mercado americano e um défice comercial dos Estados Unidos. Nenhum responsável americano de relevo foi destacado para participar no evento de Xangai.

Para o Presidente chinês, a CIIE mostra o desejo da China de apoiar o livre comércio global, acrescentando Xi que os países do mundo devem procurar políticas abertas e opor-se ao protecionismo. “A globalização económica está a enfrentar retrocessos, o multilateralismo e o sistema de livre comércio estão sob ataque, fatores de instabilidade e incerteza são numerosos, e os riscos e obstáculos estão a aumentar”, disse.

Trump deverá reunir-se com Xi este mês mas já fez saber que, se um acordo não for fechado com a China, ele poderá impor tarifas sobre outros 267 mil milhões de dólares (cerca de 234 mil milhões de euros) em importações chinesas para os EUA.