Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Trump disse que os negros eram “demasiado estúpidos” para votar nele

Drew Angerer/Getty

Assim garante Michael Cohen, que durante anos foi advogado do milionário e entretanto se incompatilizou com ele por causa de problemas criminais

Luís M. Faria

Jornalista

Michael Cohen, o ex-advogado de Donald Trump que se incompatibilizou com ele após decidir colaborar com o procurador especial que investiga a interferência russa na campanha presidencial de 2016, contou à revista Vanity Fair quatro situações em que o atual presidente terá falado depreciativamente dos negros na sua presença.

Um foi durante a própria campanha, quando Cohen lhe observou que o público num dos seus comícios era muito "baunilha". Segundo o advogado, Trump respondeu que os negros eram "demasiado estúpidos" para votar nele.

Em 2013, aquando do funeral de Nelson Mandela, Trump desafiou o advogado a nomear "um país dirigido por um negro que não seja uma latrina". Nem era preciso ser um país. "Diz uma cidade", insistiu Trump.

Antes antes, quando os dois seguiam de um aeroporto para um hotel e atravessaram um bairro degradado, Trump terá comentado que "só os negros conseguem viver assim", segundo Cohen. E quando aconteceu um dos finalistas no seu programa O Aprendiz ser negro, explicou: "Não vou de maneira nenhuma deixar aquele m...s negro ganhar".

Cohen reconhece que devia ter reagido quando ouviu estas coisas, e lamenta não o ter feito. A sua credibilidade também fica um bocado diminuida pelos seus atuais problemas judiciais. Acusado de uma série de crimes financeiros e outros, o advogado reconheceu-se culpado e prometeu colaborar com a justiça no que for preciso - incluindo a investigação sobre Trump - a troco de uma pena mais leve quando for sentenciado em dezembro.

Porém, o seu testemunho está na linha do que outros têm dito sobre Trump, e com o próprio comportamento público deste. Trump lançou a sua carreira política pondo em causa que Obama (cujo pai é nigeriano) fosse realmente nascido nos EUA, e tem feito dos ataques aos muçulmanos e aos emigrantes mexicanos um elemento essencial da sua plataforma política.