Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Exército nigeriano justifica assassínios de manifestantes com vídeo de Trump

SODIQ ADELAKUN/GETTY

Há dias, o Presidente norte-americano avisou a caravana de imigrantes que se atirarem pedras o exército americano disparará sobre eles

Luís M. Faria

Jornalista

Recentemente, o exército nigeriano foi objeto de críticas internacionais, incluindo por parte de vários governos e da Amnistia Internacional, pelo modo violento como reprimiu manifestações de muçulmanos xiitas em Abuja, a capital do país. Dezenas de mortos e centenas de presos foi o saldo provisório. Perante as reações indignadas, o exército respondeu pondo no Twitter um vídeo de... Donald Trump.

O vídeo mostra um discurso em que presidente avisa os participantes na caravana de imigrantes oriundos da América Central que se dirigem para a fronteira americana. "Alguém que atire pedras, rochas, como fizeram no México e ao exército mexicano, onde magoaram seriamente a polícia e os soldados - consideraremos isso uma arma de fogo".

Essas palavras foram consideradas uma ameaça de que o exército americano poderá disparar sobre os imigrantes. Um porta-voz do Pentágono recusou confirmar isso, dizendo apenas que o exército tem o direito e os meios para se autodefender.

Contudo, para que não houvesse dúvidas sobre a intenção do exército nigeriano ao utilizar o vídeo, uma legenda acompanhava-o: "Por favor vejam e tirem as vossas conclusões".

O vídeo foi publicado no Twitter sexta-feira, sendo mais tarde apagado. Mas a mensagem ficou dada. Apesar de a própria embaixada dos EUA na Nigéria ter exprimido preocupações com as mortes de manifestantes e exigido uma investigação.