Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Há vida em Marte? Ainda não é certo mas novo estudo alarga potencial de vida no planeta vermelho

AFP/Getty Images

A quantidade de oxigénio disponível nalguns locais poderá manter vivo um animal multicelular primitivo como uma esponja. “Descobrimos que as salmouras em Marte podem conter oxigénio suficiente para os micróbios respirarem”, disse cientista. “Isto revoluciona totalmente a nossa compreensão do potencial de vida em Marte, hoje e no passado”

A água salgada debaixo da superfície de Marte poderá conter oxigénio suficiente para suportar o tipo de vida microbiana que surgiu na Terra há mil milhões de anos. A hipótese é avançada por investigadores num artigo publicado esta segunda-feira na revista científica “Nature Geoscience”.

Nalguns locais, a quantidade de oxigénio disponível poderá manter vivo um animal multicelular primitivo como uma esponja, escrevem os investigadores. “Descobrimos que as salmouras [soluções de água saturada de sal] em Marte podem conter oxigénio suficiente para os micróbios respirarem”, disse à agência de notícias AFP o autor principal do estudo Vlada Stamenkovic, físico teórico do Laboratório de Propulsão a Jato, na Califórnia. “Isto revoluciona totalmente a nossa compreensão do potencial de vida em Marte, hoje e no passado”, sublinhou.

Até agora, assumia-se que as quantidades residuais de oxigénio em Marte eram insuficientes para sustentar mesmo a vida microbiana. Contudo, na Terra também há micróbios que, localizados no fundo do oceano, em fontes termais em ebulição, subsistem em ambientes privados de oxigénio.

As salmouras são um local convidativo para os micróbios

O novo estudo começou com a descoberta pela sonda Curiosity de óxidos de manganês, compostos químicos que só podem ser produzidos com muito oxigénio. A sonda, juntamente com outras sondas em Marte, também detetou a presença de depósitos de salmoura no planeta vermelho.

Um alto teor de sal permite que a água permaneça líquida, uma condição necessária à dissolução do oxigénio, a temperaturas muito mais baixas, tornando as salmouras um local convidativo para os micróbios.

No entanto, Stamenkovic deixa o alerta: “Os nossos resultados não provam que há vida em Marte. Mas mostram que a habitabilidade marciana é afetada pelo potencial de oxigénio dissolvido”.