Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Cientistas produzem ratos só com duas mães

Sergei Fadeichev/Getty Images

Se a técnica for extendida à nossa espécie, a reprodução um dia poderá dispensar a intervenção do homem, por indireta que seja

Luís M. Faria

Jornalista

Os homens vão deixar de ser necessários à reprodução? É a pergunta suscitada por um avanço científico que cientistas chineses acabam de anunciar. Duas mães-rato deram à luz bebés sem qualquer intervenção de um macho. Não se trata de fertilizar um óvulo com esperma num laboratório, como na fertilização artificial, mas de dispensar pura e simplesmente o elemento masculino.

A chamada partenogénese acontece em certas espécies de répteis, pássaros e peixes, etc, mas não com mamíferos, e os cientistas propuseram-se descobrir porquê. A técnica utilizada foi muito complexa. De um dos animais retirou-se um óvulo, do outro um tipo especial de célula estaminal.

A seguir, para os tornar compatíveis, procedeu-se a uma "edição" genética que cortou três secções de genes, recorrendo a um instrumento chamado CRISPR Cas9, que tem dado origem a muita polémica, sobretudo pelas possibilidades que abre de criar "designer babies" - bebés à medida do cliente.

O estudo foi publicado na Cell Stem Cell, uma revista científica americana. Um dos autores explicou que tentativas anteriores com menos modificações genéticas tinham produzido espécimes defeituosos, e só agora se obtiveram animais saudáveis - 29 ao todo, a partir de 210 embriões. Esses ratos cresceram normalmente e tiveram eles próprios filhos.

Também foram realizadas experiências com dois pais, mas os bebés gerados morreram ao fim de dias. Quanto a saber se a técnica poderá eventualmente ser usada em humanos, para já a resposta é negativa. "A temenda quantidade de modificação genética necessária para fazer o que eles fizeram torna implausível empregá-la noutra coisa", disse à CNN Tim Hore, um especialista em epigenética.