Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Trump promete “chegar ao fundo” da questão no caso do jornalista saudita desaparecido

OZAN KOSE/AFP/Getty Images

Jamal Khashoggi, autoexilado e crítico do regime do seu país, entrou no consulado saudita em Istambul na semana passada e nunca mais foi visto. A Turquia diz que Khashoggi foi morto mas a Arábia Saudita nega as alegações. “Não podemos deixar que isto aconteça aos repórteres, a ninguém. Estamos a exigir tudo”, garantiu o Presidente norte-americano

O Presidente dos EUA, Donald Trump, prometeu esta quarta-feira “chegar ao fundo” da questão no caso do jornalista saudita desaparecido há mais de uma semana. Jamal Khashoggi, autoexilado e crítico do regime do seu país, entrou no consulado saudita em Istambul na terça-feira da semana passada e nunca mais foi visto.

A Turquia diz que Khashoggi foi morto mas a Arábia Saudita nega as alegações. “Não podemos deixar que isto aconteça aos repórteres, a ninguém. Estamos a exigir tudo. Queremos ver o que se está a passar lá”, disse Trump, acrescentando que conversou com as autoridades sauditas “ao mais alto nível” sobre o caso.

Esta quarta-feira, a televisão turca News 24 mostrou imagens de Khashoggi a dirigir-se ao consulado e posteriormente uma carrinha a abandonar o edifício em direção à residência do cônsul. As imagens parecem sugerir que o jornalista se encontrava no interior do veículo, uma carrinha Mercedes de cor preta. Segundo o relato da televisão, o veículo fez o percurso de dois quilómetros entre o consulado da Arábia Saudita e a residência do cônsul, tendo entrado numa garagem.

Noiva turca de Khashoggi pede ajuda a casal Trump

Além das imagens que transmitidas pela News 24, um jornal turco, pró-governamental, publicou os nomes e as fotografias de 15 cidadãos sauditas que chegaram a Istambul, a bordo de dois aviões privados, no dia em que Khashoggi desapareceu.

Entretanto, a noiva turca do saudita desaparecido, colaborador do jornal “The Washington Post”, pediu ajuda a Trump e à primeira-dama no sentido de se esclarecer o desaparecimento. Num texto publicado no mesmo jornal, Hatice Cengiz exorta também a Arábia Saudita – e especialmente o rei Salman e o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman – a mostrarem “sensibilidade” em relação ao caso e a “tomarem a iniciativa de mostrar as imagens das câmaras de segurança do interior do consulado”.

Khashoggi fugiu da Arábia Saudita no ano passado por achar que seria o nome seguinte na lista de alvos a silenciar. Nessa altura, o regime apertou a vigilância sobre intelectuais, ativistas e jornalistas que, como ele, criticavam algumas decisões do príncipe herdeiro.

  • “Ele nunca iria mentir. Por isso é que o mataram”: o mistério do jornalista saudita desaparecido

    O que aconteceu a Jamal, o jornalista saudita que nunca mais foi visto depois de entrar no consulado do seu país em Istambul, há uma semana? Os sauditas dizem que nada sabem, os turcos acusam-nos de o terem morto, as manifestações à porta de embaixadas sauditas por todo o mundo exigindo saber o que lhe aconteceu multiplicam-se e esta quarta-feira o mistério adensou-se, por causa de uma misteriosa carrinha preta. Poderão os Estados Unidos pressionar para a descoberta do que se passou, usando a aliança de décadas com Riade? “Não se espere qualquer intervenção dos EUA”, disse ao Expresso um académico

  • Trump sobre desaparecimento de jornalista saudita: “Não gosto do que está a acontecer. Espero que as coisas se resolvam”

    Foram vários os dirigentes políticos americanos a reagir ao desaparecimento do jornalista saudita Jamal Khashoggi, que foi visto pela última vez na semana passada à entrada do consulado da Arábia Saudita em Istambul. Trump disse apenas: “Não gosto do que está a acontecer. Espero que as coisas se resolvam”. Autoridades turcas pediram para fazer buscas no consulado, que foram entretanto autorizadas pela Arábia Saudita