Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Mulher do Azerbaijão gastou €18,3 milhões no Harrods durante uma década

Leon Neal/GETTY

Durante 10 anos, Zamira Hajiyeva gastou 4,6 mil euros por dia nos armazéns do Harrods, em Londres, em perfumes, jóias e relógios de marcas luxuosas

Um tribunal britânico autorizou a divulgação da identidade de uma mulher que gastou 16 milhões de libras (18,3 milhões de euros) nos armazéns Harrods durante uma década. Trata-se de Zamira Hajiyeva, uma cidadã do Azerbaijão, de 55 anos, mulher do ex-presidente do International Bank of Azerbaijan.

É a primeira vez que a justiça inglesa recorre à lei 'Unexplained Wealth Orders', que entrou em vigor este ano, e visa obter explicações sobre a origem desconhecida de dinheiro e património no país. Zamira garante que não cometeu qualquer crime e que as contas bancárias partilhadas com o marido têm “dinheiro limpo”.

Segundo a Associated Press, Zamira Hajiyeva comprou também uma casa de luxo perto na zona de Knightsbridge, por 13 milhões de euros, e um campo de golfe em Berkshire, nos arredores da capital britânica, através de uma empresa com sede nas Ilhas Virgens Britânicas. Património que pode ser confiscado pela justiça caso não seja devidamente explicada a sua origem em tribunal.

Durante 10 anos, a cidadã do Azerbaijão gastou 18,3 milhões de euros – o que equivale a cerca de 4,6 mil euros por dia em perfumes, jóias e relógios de marcas luxuosas como Cartier e Boucheron, refere a BBC.

Os advogados asseguram que o casal é inocente e não cometeu qualquer ilegalidade. Entretanto, Jahangir Hajiyev já fez saber que vai apresentar uma queixa ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos.

Em 2016, o marido Jahangir Hajiyev, antigo líder do Banco Internacional do Azerbaijão, foi condenado a uma pena de prisão de 15 anos por fraude e desvio de dinheiro daquela instituição.

O casal recebeu um visto de residência do Governo britânico destinado a investidores internacionais com elevado património, mas os bens adquiridos recentemente no Reino Unido e os movimentos das suas contas bancárias levantaram suspeitas.