Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

México. Casal que transportava partes de corpos num carrinho de bebé pode ter assassinado 20 mulheres

ALFREDO ESTRELLA/AFP/Getty Images

As partes de corpos eram mantidas em baldes cheios de cimento e num frigorífico. O homem confessou ter abusado sexualmente de algumas das vítimas antes de as matar e de vender os seus pertences e partes dos seus corpos. As três vítimas que identificou eram todas mães solteiras e tinham desaparecido nos últimos meses

A polícia do México está a investigar um casal preso por transportar partes de corpos num carrinho de bebé. A informação foi avançada esta terça-feira pela BBC, que acrescenta que, numa audiência após a sua prisão, o homem confessou ter matado 20 mulheres num subúrbio da Cidade do México.

Investigadores encontraram partes de corpos, que eram mantidas em baldes cheios de cimento e num frigorífico, no apartamento do casal e numa outra propriedade próxima. Segundo a investigação, o casal vendia as partes de corpos mas ainda não se sabe a quem. Os vizinhos disseram que, sempre que o viam, o casal estava a empurrar um carrinho.

As autoridades pararam-nos e revistaram-nos após o desaparecimento, em setembro, de uma mulher de 28 anos e da sua bebé de dois meses. Na audiência, o acusado, identificado como Juan Carlos, confessou ter matado essa mulher e identificou outras duas das suas vítimas. As três, todas mães solteiras, tinham desaparecido nos últimos meses.

Vítimas eram atraídas para dentro da propriedade do casal

Juan Carlos também confessou ter abusado sexualmente de algumas das vítimas antes de as matar e de vender os seus pertences e partes dos seus corpos, de acordo com o Ministério Público. As vítimas conheciam o homem e a sua companheira, Patricia, porque lhes compravam roupas e comida. A mulher atraía-as para dentro da sua propriedade dizendo-lhes que tinha mais mercadorias para elas verem.

Apesar de os femicídios serem comuns no México e de muitas vezes ficarem impunes, os detalhes macabros deste caso causaram indignação e motivaram protestos de rua em Ecatepec, um subúrbio pobre do estado do México onde estes assassínios de mulheres ocorreram. O estado é a região do país com o maior número de mulheres desaparecidas. Entre janeiro e abril deste ano, das 395 pessoas que desapareceram naquele estado, 207 eram mulheres, diz a BBC.