Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Bolsonaro para Haddad: “Calma que sua hora vai chegar, marmita de corrupto preso”. Haddad: “Temos de debater. Vou até à enfermaria na boa”

MIGUEL SCHINCARIOL / Getty

Candidato da extrema-direita no Brasil, Jair Bolsonaro, partilhou mais um tweet polémico e anunciou que não vai participar no debate desta quinta-feira. Há mais seis marcados até à votação da segunda volta, a 28 de outubro, e Haddad exige a presença do seu adversário. As primeiras sondagens Datafolha, reveladas esta quarta-feira, apontam 58% para Bolsonaro e 42% para Haddad

Sofia Perpétua, no Rio de Janeiro

O candidato Fernando Haddad (PT) desafia o candidato da extrema-direita Jair Bolsonaro (PSL) a comparecer no debate marcado para esta quinta-feira. “Temos de debater. Vou até à enfermaria, na boa, fazer o debate”, declarou esta quarta o candidato do PT numa conferência de imprensa para os correspondentes internacionais em São Paulo e em referência ao facto de Bolsonaro. "Ele disse que não quer se estressar, não vou estressá-lo. Vou falar docemente. Nem olho para ele se ele ficar com muito receio. Faço o que ele quiser para ele dizer o que pensa e debater o país."

Bolsonaro teve se passar por uma cirurgia de urgência e afastar-se da sua campanha após ter sofrido um atentado em que levou uma facada, a 6 de setembro. Desde então, o candidato da extrema-direita invocou razões médicas para não participar em mais nenhum debate.

No entanto, a 4 de outubro, dia do último debate entre os candidatos mais bem colocados nas sondagens e dias antes da eleição da primeira volta, Bolsonaro deu uma entrevista à Record ao mesmo tempo que os seus adversários debatiam em direto na Rede Globo. A Record, liderada pelo líder da Igreja Universal, o bispo Edir Macedo, manifestou o seu apoio à candidatura de Bolsonaro.

Haddad acredita que o debate é a melhor forma de combate às fake news que têm dominado esta campanha. Esta semana, o candidato do PT pediu ainda a Bolsonaro que assinasse um documento em que se compromete a combater todas as notícias falsas. Bolsonaro recusou-se a assinar um pacto contra fake news e chamou ‘canalha’ a Haddad na sua conta de Twitter. Haddad, em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, disse que essa resposta de Bolsonaro é do nível do candidato.

A candidata a vice-presidente de Haddad, Manuela D’Ávila, apelou esta quarta-feira a que as vítimas de incidentes violentos durante esta eleição deixem as suas queixas no site http://mapadaviolencia.org para que possa ser feito um mapeamento da violência.

Bolsonaro recusou um pacto contra as fake news e chamou "canalha" a Haddad.

Após as eleições da primeira volta, que deram vantagem ao candidato da extrema-direita com 46% dos votos, deixando Haddad com 29,3%, têm-se registado atos de violência por todo o Brasil. A polícia civil registou vários incidentes entre apoiantes da extrema-direita e apoiantes da esquerda, entre os quais o assassinato de um mestre de capoeira com 12 facadas por ter manifestado o seu apoio ao PT em Salvador, na Bahia.

Caetano Veloso lamenta o assassinato do mestre de capoeira Moa de Kantende, que perdeu a vida após se ter manifestado a favor do PT.

O candidato de esquerda, Fernando Haddad, repudiou todos os atos de ódio. “Um dia amargo para a democracia. A cultura do ódio precisa ser interrompida urgentemente.”

O candidato de extrema-direita, Jair Bolsonaro, manifestou-se terça-feira sobre os incidentes ocorridos ao responder à pergunta de um jornalista. “O que que eu tenho que ver com isso? Eu lamento, peço ao pessoal que não pratique isso mas eu não tenho controle.”

Haddad comentou esta quarta-feira, em São Paulo, o recente caso da jornalista da Globo Miriam Leitão, que está a sofrer ataques nas redes sociais depois de ter falado publicamente sobre ter sido vítima de tortura durante a ditadura militar no Brasil. “Meu adversário até hoje defende torturadores publicamente sabendo que nos porões da ditadura se cometiam estupros contra mulheres, reiteradamente. E agridem as pessoas, inclusive jornalistas, que cobram um compromisso dele com a democracia e que estão sendo agora enxovalhados na internet.”

Esta quarta-feira de tarde, Bolsonaro deixou uma ameaça a Haddad no Twitter.

Os próximos debates entre os dois candidatos à presidência do Brasil estão marcados para os dias 11/10 na Band, 14/10 na TV Gazeta, 15/10 na RedeTV!, 17/10 na SBT, 21/10 na Record e 26/10 na Rede Globo.

O Brasil volta às urnas no próximo dia 28 de outubro.