Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

África do Sul. Ministro das Finanças demite-se depois de admitir encontros com família acusada de corrupção

GULSHAN KHAN/AFP/Getty Images

Nhlanhla Nene tinha anteriormente negado encontros com os Gupta, suspeitos de terem trabalhado com o antigo Presidente Jacob Zuma para garantir contratos com o Governo e determinar nomeações do Executivo. As reuniões aconteceram durante os seus mandatos de vice-ministro e ministro das Finanças de Zuma. Demitido pelo ex-Presidente, Nene acabaria por ser reconduzido pelo Presidente atual

O ministro das Finanças da África do Sul, Nhlanhla Nene, demitiu-se esta terça-feira depois de reconhecer que se reuniu com membros da família Gupta, que são acusados de corrupção. A família é suspeita de ter trabalhado com o antigo Presidente Jacob Zuma para garantir contratos com o Governo e determinar nomeações do Executivo.

As alegações são negadas pela família e por Zuma. Contudo, na semana passada, o ministro demissionário disse a uma comissão de inquérito, liderada por juízes, sobre a suposta influência dos Gupta que se reuniu com a família pelo menos seis vezes entre 2009 e 2014. Nene tinha anteriormente negado esses encontros.

Não há indícios de que tenha feito alguma coisa ilegal ao encontrar-se com os empresários da família durante os seus mandatos como vice-ministro e ministro das Finanças de Zuma. No entanto, Nene tem estado sob intensa pressão política para se demitir. Zuma demitiu-o em 2015 mas acabaria por ser reconduzido pelo atual Presidente, quando Cyril Ramaphosa tomou posse em fevereiro.

Depois de revelar os detalhes dessas reuniões, o ministro emitiu um pedido de desculpas público dizendo: “Eu também sou humano. Cometo erros, incluindo os de má avaliação.” Ramaphosa disse que Nene “defendeu a causa da boa gestão financeira e da governação limpa”. Mas aceitou a sua demissão por Nene temer que o seu depoimento “desvalorize a importante tarefa de servir o povo da África do Sul”.

Nene é substituído pelo ex-chefe do Banco Central Tito Mboweni. Trata-se da quinta mudança de ministro das Finanças no país desde 2014.