Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Nove pessoas presas por ataque a escola feminina na Índia

Por terem rejeitado o assédio de rapazes, dezenas de estudantes foram atacadas com barras de ferro e paus de bambu

Luís M. Faria

Jornalista

Já vai em pelo menos nove o número de pessoas presas na sequência de um ataque a dezenas de raparigas que frequentam uma escola em Bihar, um dos estados mais pobres da Índia. Situada no distrito de Saupaul, a 250 quilómetros da capital do estado, a escola é exclusivamente feminina e atrai com frequência a atenção indesejada de rapazes, que por vezes assediam as raparigas de forma agressiva.

Sábado voltou a acontecer, mas desta vez elas reagiram - verbalmente e não só, ao que parece. Os rapazes foram embora. Mas pouco depois voltaram, alguns deles acompanhados pelos pais e armados com barras de ferro e paus de bambu. Dezenas de raparigas, com idades entre 10 e 14 anos, foram agredidas. Muitas tiveram de ir ao hospital, embora nenhuma ficasse ferida com gravidade.

Com numerosas histórias horríveis de agressões a mulheres nos últimos anos, é mais um caso a contribuir para a má fama internacional da Índia na matéria. As autoridades, que antes tinham ignorado repetidas queixas das estudantes sobre aquele tipo de assédio, desta vez agiram depressa. Das pessoas já presas, curiosamente, três são mulheres.

Quanto às crianças, que passaram por uma experiência traumatizante, um magistrado local explicou: "Aparentemente, sofrem de medo psicológico, mas estamos a arranjar filmes de bom entretenimento na escola para lhes acalmar a tensão e afastar o medo das suas mentes. Também lhes estamos a dar assistência psicológica para que fiquem rapidamente melhores".

Também a barreira que separa a escola da zona exterior vai passar a ser mais alta. Infelizmente, as barreiras culturais não se mudam com a mesma facilidade.