Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“Em nome da nação”, Trump pede desculpas a Kavanaugh pela “campanha de mentiras” na confirmação para Supremo

Chip Somodevilla/Getty Images

“Quero pedir desculpas a Brett e a toda a família Kavanaugh pela terrível dor e sofrimento que foram forçados a suportar”, disse o Presidente dos EUA. “O processo de confirmação foi controverso e emocional. Esse processo acabou. O meu foco agora é ser o melhor juiz que posso ser”, afirmou Kavanaugh, que, sem se referir às alegações de conduta sexual imprópria, sublinhou o facto de ser o primeiro juiz com uma equipa exclusivamente feminina

O Presidente dos EUA, Donald Trump, pediu desculpas esta segunda-feira ao seu novo juiz do Supremo Tribunal, Brett Kavanaugh, pelo que descreveu como uma “campanha de mentiras” durante as audiências de confirmação. “Em nome da nossa nação, quero pedir desculpas a Brett e a toda a família Kavanaugh pela terrível dor e sofrimento que foram forçados a suportar”, disse Trump numa cerimónia na Casa Branca.

Kavanaugh foi acusado de conduta sexual imprópria nos anos 1980 e 1990 por pelo menos três mulheres, a primeira das quais foi ouvida, tal como ele, na comissão de Justiça do Senado. O juiz negou sempre as alegações, acabando por ser confirmado no último sábado, numa votação de 50 contra 48. Kavanaugh disse que não estava amargurado apesar da sua confirmação “contenciosa”.

Na semana passada, o FBI concluiu um relatório sobre as alegações de má conduta sexual contra Kavanaugh mas os resultados não foram tornados públicos. Trump condenou a “campanha de destruição política e pessoal baseada em mentiras e enganos”, acrescentando que a inocência de Kavanaugh tinha sido provada depois de ter estado “sob escrutínio histórico”.

“Agora estou concentrado em ser o melhor juiz que puder ser”, disse Kavanaugh

O juiz disse à Casa Branca que não permitiria que o processo de confirmação “amargo” afetasse o seu trabalho na mais alta instância judicial do país. “O processo de confirmação do Senado foi controverso e emocional. Esse processo acabou. Agora estou concentrado em ser o melhor juiz que puder ser”, acrescentou. Sem se referir às alegações de abusos sexuais, voltou a lembrar o seu histórico de promoção das mulheres, sublinhando o facto de ser o primeiro juiz com uma equipa exclusivamente feminina.

Brett Kavanaugh senta-se no Supremo já esta terça-feira para ouvir casos de imigração e outros. Uma petição para o destituir conta com mais de 150 mil assinaturas. A primeira mulher que o acusou e que depôs perante o Senado, a professora Christine Blasey Ford, ainda não conseguiu voltar para casa com a sua família por causa das “intermináveis” ameaças de morte, de acordo com um dos seus advogados.