Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Brexit. PM japonês disposto a receber Reino Unido de “braços abertos” na Parceria Transpacífico

Mikhail Metzel/TASS/Getty Images

Em entrevista ao “Financial Times”, Shinzo Abe exortou o Reino Unido e a UE a contribuírem com “a sua sabedoria” de forma a evitarem “o chamado Brexit desordenado”. Os comentários de Abe devem ser bem recebidos pelos apoiantes do Brexit, que argumentam que o Reino Unido será capaz de fazer novos acordos comerciais mais facilmente fora da UE

O Reino Unido será recebido na Parceria Transpacífico (TPP, na sigla em inglês) de “braços abertos” depois de deixar a União Europeia (UE). A garantia foi dada pelo primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, na edição desta segunda-feira do “Financial Times”.

Com o Brexit, o Reino Unido perderá o seu papel de porta de entrada para a Europa mas manterá a sua “força global”, defende Abe, que apela à “sabedoria” para evitar um cenário de saída sem acordo. “Espero que ambos os lados contribuam com a sua sabedoria e pelo menos evitem o chamado Brexit desordenado”, disse.

O que é o TPP?

O Reino Unido só poderá entrar no TPP se abandonar a união aduaneira da UE e conseguir estabelecer as suas próprias tarifas. O acordo comercial foi concebido para 12 países e desenhado pelo ex-Presidente norte-americano Barack Obama para fazer frente ao crescente poder da China na região da Ásia-Pacífico.

A saída do TPP foi um dos primeiros atos oficiais de Donald Trump enquanto Presidente dos EUA. Os 11 países restantes — Austrália, Brunei, Canadá, Chile, Japão, Malásia, México, Nova Zelândia, Peru, Singapura e Vietname — continuaram a negociar, tendo assinado o acordo em março deste ano.

Palavras de Abe são música para ouvidos dos apoiantes do Brexit

Os comentários do primeiro-ministro japonês devem ser bem recebidos pelos apoiantes do Brexit, agendado para 29 de março do próximo ano, que argumentam que o Reino Unido será capaz de fazer novos acordos comerciais mais facilmente fora da UE. Contudo, Abe lembra que é essencial um período de transição para as empresas japonesas. “Espero verdadeiramente que o impacto negativo do Brexit na economia global, incluindo as empresas japonesas, seja minimizado”, afirmou na entrevista ao “Financial Times”.

O Japão é um grande investidor no Reino Unido. No entanto, no período que antecedeu as negociações do Brexit, várias empresas financeiras japonesas anunciaram que pretendem transferir as suas principais sucursais na UE para fora de Londres. A gigante da eletrónica Panasonic já disse que irá transferir a sua sede europeia para Amesterdão.