Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Eleições no Brasil: sondagens à boca da urna dão 45% a Bolsonaro

RICARDO MORAES

As urnas já fecharam em todo o território brasileiro e as primeiras projecções dão vitória a Bolsonaro.

Ainda não é oficial, mas Jair Bolsonaro é apontado como o grande vencedor da primeira volta das eleições presidenciais no Brasil.

O candidato de extrema-direita Jair Bolsonaro poderá ter 45% dos votos, segundo uma sondagem à boca da urna acabada de divulgar pelo IBOPE. Estas projeções ultrapassam os cerca de 38% que a média das últimas sondagens, publicadas antes das eleições, atribuíam ao candidato apoiado pelo Partido Social Liberal (PSL). O candidato do Partido dos Trabalhadores (PT), Fernando Haddad tem 26,3%, dentro da margem de erro das últimas pesquisas conhecidas.

Ciro Gomes, o candidato do Partido Democrático Trabalhista( PDT), tem 12,1% das intenções de voto, dentro da margem de erro das últimas sondagens (11,1%). A manterem-se estas projecções, parece não se confirmar a transferência de voto útil de centro esquerda para o candidato do PDT. e é visto como uma terceira via à polarização entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad. Ciro é visto por muitos analistas como a alternativa de esquerda contra o peso do Lulismo. Quando concorreu à presidência em 1998 e 2002, o ex-governador do Ceará obteve 7,4 milhões e 10,2 milhões de votos, respectivamente. É considerado por muitos como “um PT Ficha Limpa” e o que seria mais habilitado para derrotar Bolosnaro.

Com 4% das projeções de voto, Geraldo Alkmin, o candidato pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), confirma a tendência de desaparecimento, tinha 7,5% nas últimas sondagens.

Geraldo Alkhmim, que já por quatro vezes foi Governador de São Paulo, era o candidato com mais hipóteses constituir uma alternativa de centro-direita a Bolsonaro e a Fernando Haddad, mas grande parte da sua base eleitoral migrou para o apoio ao candidato de extrema-direita já na primeira volta.

A situação de não passar à segunda volta é tanto mais inédita quanto o PSDB é o tradicional rival do PT nas eleições desde 1994.