Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Já é conhecido o argumento do episódio final da novela do momento na América: há um juiz que vai ter o que queria

Brett Kavanaugh comoveu-se e enfureceu-se durante o seu depoimento no Senado dos EUA

epa

Brett Kavanaugh tornou-se protagonista principal numa América dividida

Era o desfecho que Trump e os republicanos ansiavam e que os democratas e os movimentos sociais - nomeadamente o #MeToo - temiam: está praticamente confirmada a nomeação de Brett Kavanaugh para o Supremo Tribunal dos EUA, depois de um polémico processo em que o juiz foi acusado de abusos sexuais.

A senadora republicana Susan Collins e o democrata Joe Manchin III, que ainda não tinham confirmado as suas intenções de voto para a votação final que vai ocorrer este sábado, anunciaram o que decidiram: vão dar o "sim" a Kavanaugh. A investigação do FBI às acusações em causa acabou por ilibar o juiz, apesar de os democratas considerarem que o trabalho do FBI foi condicionado pela Casa Branca.

Susan Collins desenvolveu a sua argumentação fazendo referências ao #MeToo. "É um movimento necessário", salvaguardou, mas acrescentou que não ficou convencida das acusações feitas as Kavanaugh. "Achei o testemunho dela [Christine Blasey Ford] sincero e doloroso. Acredito que é uma sobrevivente de agressão sexual e que o trauma condicionou a sua vida. Ainda assim, as testemunhas que ela nomeou não confirmaram os factos", disse a senadora, referindo-se a uma das mulheres que acusa Kavanaugh e que foi inclusivamente ouvida no senado.

Joe Manchin III afirmou que tem reservas quanto ao seu voto, devido às "graves acusações feitas contra o juiz Kavanaugh", mas ainda assim decidiu pelo "sim". "O meu coração está com todos os que sofreram agressões sexuais. Ainda assim, com base nas informações que me foram disponibilizadas, incluindo o relatório do FBI, considero que o juiz Kavanaugh é um jurista qualificado." Manchin acaba por desalinhar dentro dos democratas, cujos demais senadores vão votar "não" este sábado.

Estas declarações surgem depois de um votação que ocorreu esta sexta-feira no senado e que permitiu agendar para este sábado a sessão final de nomeação do juiz. A votação desta sexta-feira ficou em 51-49, com Manchin e Collins a alinharem no sim. Após esta votação, ambos disseram que iam decidir e anunciar posteriormente a sua decisão. Está anunciada.