Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Venezuela: Maduro anuncia reforço de plano de regresso dos venezuelanos ao país

FEDERICO PARRA/GETTY IMAGES

O Presidente da Venezuela questionou os dados divulgados por vários organismos internacionais, sublinhando que “é impossível” que mais de dois milhões de venezuelanos tenham deixado recentemente o país

O Presidente da Venezuela Nicolás Maduro anunciou esta segunda-feira que vai reforçar o "Plano de Regresso à Pátria (PRP)", que já proporcionou o regresso ao país de 7.000 venezuelanos que emigraram.

"Vamos reforçá-lo [o PRP] com muito investimento, para que todos os venezuelanos que saíram [do país], ouvindo falsos cantos de sereia, regressem para estudar, para trabalhar pela nossa pátria", disse.

Nicolás Maduro falava no palácio presidencial de Miraflores, em Caracas, numa intervenção transmitida pelas rádios e televisões do país.

O Presidente da Venezuela questionou os dados divulgados por vários organismos internacionais, vincando que "é impossível" que mais de dois milhões de venezuelanos tenham deixado recentemente o país, porque o número de matrículas escolares aumentou 7% em relação ao ano anterior, estando atualmente em aulas 2.492.874 estudantes.

"Fazem-nos uma guerra psicológica e fazem que o mundo acredite que dois milhões de venezuelanos saíram [do país]. Deus meu, é impossível", disse.

Nicolás Maduro adiantou que vai garantir aos emigrados "um autocarro, um avião, para que regressem à pátria" e sejam desmontadas "definitivamente as campanhas de guerras psicológica que, pela via de mentiras, pretendem [justificar] uma intervenção na Venezuela", afirmou.
Por outro lado, precisou que há venezuelanos "desesperados" por retornar de países como o Peru, a Colômbia, o Brasil e o Equador, por, alegadamente, serem alvo de atos de xenofobia e más condições de trabalho.

Dados divulgados hoje pela ONU, em Genebra, dão conta de que mais de 2,6 milhões de venezuelanos vivem atualmente no estrangeiro e que quase 1,9 milhões deles abandonaram o país desde 2015, fugindo da crise político-económica e social que afeta a Venezuela.

Fontes não oficiais dão conta de que quase um milhão de venezuelanos estão radicados na Colômbia e que 35 mil passam diariamente a fronteira até àquele país à procura de alimentos e bens de primeira necessidade.