Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Será Elon Musk obrigado a deixar a presidência da Tesla?

Mustafa Yalcin/Anadolu Agency/Getty Images

A Comissão de Valores Mobiliários defende que Elon Musk fez uma série de tweets “falsos e enganadores”. No início de agosto, Musk anunciou no Twitter que poderia retirar a Tesla da bolsa por 420 dólares por ação, com “financiamento garantido”, o que acabou por não se concretizar. Musk defende-se dizendo que não fez nada de errado

A Comissão de Valores Mobiliários dos EUA acusou esta quinta-feira o diretor executivo da Tesla, Elon Musk, de fraude e pediu a um tribunal federal para o destituir da presidência da empresa de carros elétricos. A autoridade bolsista norte-americana disse que Musk fez uma série de tweets “falsos e enganadores” no mês passado sobre a possibilidade de retirar a Tesla da bolsa.

Musk defende-se dizendo que não fez nada de errado. “Esta ação injustificada da comissão deixa-me profundamente triste e desapontado”, reagiu, em comunicado. “A integridade é o valor mais importante da minha vida e os factos mostrarão que nunca a comprometi de forma alguma”, acrescentou.

O conselho de administração da Tesla afirmou estar “totalmente confiante” em Musk.

“Financiamento garantido”

A ação judicial da Comissão de Valores Mobiliários, apresentada no tribunal federal de Manhattan, é o corolário de dois meses tumultuosos iniciados a 7 de agosto, quando Musk anunciou aos seus mais de 22 milhões de seguidores no Twitter que poderia retirar a Tesla da bolsa por 420 dólares por ação (cerca de 360 euros por ação), com “financiamento garantido”.

A 24 de agosto, depois de a investigação da comissão ser noticiada, Musk anunciou que a empresa permaneceria na bolsa, apontando o dedo à resistência dos investidores.

No seu processo, a comissão afirma que Musk calculou o preço por ação com base num prémio de 20% sobre o preço por ação no final desse dia e por ser uma referência em gíria à marijuana. O processo, que teve acesso a emails e mensagens de texto entre Musk e os executivos da Tesla, cita o patrão da empresa a dizer que pensava que a sua namorada “iria achar engraçado, o que reconhecidamente não é um bom motivo para escolher um preço”, criticam os reguladores.

A comissão revelou que a sua investigação à Tesla continua, sendo a ação para demitir Musk um acontecimento raro da autoridade bolsista contra o CEO de uma empresa tão conhecida.