Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Trump sugere que vice-procurador-geral Rosenstein poderá manter-se em funções

Mark Wilson/Getty Images

O Presidente dos EUA admitiu que poderia adiar a reunião desta quinta-feira com Rosenstein, de forma a não interferir com as audiências no Senado do juiz Brett Kavanaugh. No fim de semana, o jornal “The New York Times” publicou um texto, segundo o qual Rosenstein defendeu a ativação da emenda 25, que prevê a substituição de um Presidente quando este não reúne as capacidades necessárias para exercer o cargo

O Presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou esta quarta-feira que “preferia manter” o vice-procurador-geral Rod Rosenstein, apesar dos relatos de que o funcionário do Departamento de Justiça terá sugerido, no ano passado, invocar a emenda 25 da Constituição para retirar o Presidente do cargo.

Em conferência de imprensa à margem dos trabalhos da Assembleia Geral da ONU, Trump admitiu também que poderia adiar a reunião desta quinta-feira com Rosenstein, de forma a não interferir com as audiências no Senado do juiz Brett Kavanaugh e da professora que o acusa de agressão sexual.

“Talvez ligue ao Rod a pedir um ligeiro adiamento do encontro porque não quero que nada interfira com esta importante escolha para o Supremo Tribunal”, disse. Kavanaugh foi o nome indicado pelo Presidente para ocupar uma vaga no mais alto tribunal do país.

Rosenstein “disse que tem muito respeito por mim”, afirmou Trump. “Vamos ver”

No fim de semana, o jornal “The New York Times” publicou um texto, segundo o qual Rosenstein defendeu a ativação da emenda 25, que prevê a substituição de um Presidente quando este não reúne as capacidades necessárias para exercer o cargo. O vice-procurador-geral ter-se-á oferecido para usar um microfone escondido para reunir provas do comportamento errático de Trump, após o despedimento abrupto do então diretor do FBI James Comey.

“Ele afirmou que nunca disse isso, ele disse que não acredita nisso. Disse que tem muito respeito por mim. Ele foi muito simpático. Vamos ver”, disse Trump, referindo-se a Rosenstein. O vice-procurador-geral foi chamado à Casa Branca na segunda-feira, tendo a reunião terminado com Rosenstein ainda em funções e com a marcação de um novo encontro com Trump.

Rosenstein supervisiona a investigação do conselheiro especial Robert Mueller sobre a alegada ingerência russa nas eleições de 2016 e o possível conluio entre a campanha de Trump e o Kremlin. Alguns democratas acusam o Presidente de desejar a demissão de Rosenstein para acabar de vez com a investigação de Mueller.