Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Há uma terceira mulher a acusar Brett Kavanaugh de conduta sexual imprópria - e desta vez é ainda mais grave

Congressional Quarterly/Getty Images

Julie Swetnick conheceu Brett Kavanaugh no liceu e não ficou com as melhores memórias. Ela é a terceira mulher a acusar a escolha de Donald Trump para o Supremo Tribunal de conduta sexual imprópria mas Swetnick diz que Kavanaugh e os seus amigos adulteravam as bebidas das raparigas para as poderem violar

Há uma terceira mulher a acusar Bret Kavanaugh, a escolha de Donald Trump para juiz do Supremo Tribunal, de conduta sexual imprópria. Chama-se Julie Swetnick e, num comunicado publicado pelo seu advogado, dá conta do comportamento de Kavanaugh durante o início dos anos 80, quando o juíz andava no liceu, em Maryland.

Mas o depoimento de Stewnick é bastante mais grave do que o das outras duas mulheres que, na semana passada, disseram ter sido de alguma forma abusadas por Kavanaugh.

A residente de Washington D.C., hoje com 55 anos, fala dos esforços de Kavanaugh e outros rapazes seus colegas, nomeadamente Mark Judge, um nome presente também em outra acusação, para adulterarem as bebidas das raparigas de forma a torná-las “mais desinibidas e dificultar a sua capacidade de dizer ‘não’”. Segundo Swetnick, Kavanaugh e os seus amigos faziam-no “com a intenção de que um ‘comboio’ de rapazes pudesse violar as raparigas”.

“Tenho uma memória bastante vívida destas filas de rapazes à porta de um quarto de uma casa onde se realizavam estas festas à espera da sua vez com a rapariga que estava dentro do quarto. Entre estes rapazes estavam Mark Judge e Brett Kavanaugh”, escreveu Swetnick, num depoimento enviado ao Senado.

Em 1982 ela própria terá sido vítima de um destas violações por vários rapazes e Kavanaugh estava presente.

Swetnick disse ainda ter observado Kavanaugh “beber excessivamente em várias festas e interagir de forma abusiva com raparigas”. Segundo a queixosa, o juiz “pressionava o seu corpo contra o de raparigas sem o consentimento delas e tentava remover-lhes a roupa de modo a expor as partes privadas das mulheres”.

Brett Kavanaugh nega todas as acusações e diz ter sido virgem durante todo o liceu.