Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

França. Homem condenado pela primeira vez a pagamento de multa por ofensa sexista

Além dos 300 euros pelas ofensas que dirigiu a uma mulher num autocarro, o homem também deverá passar meio ano atrás das grades por causa de violência contra o motorista. Trata-se do primeiro caso de aplicação da lei contra o assédio sexual, desde que esta entrou em vigor no início de agosto

Um homem de 30 anos foi multado em 300 euros por ofensa sexista dirigida a uma mulher num autocarro nos subúrbios de Paris, em França. Trata-se do primeiro caso de aplicação da lei contra o assédio sexual, desde que esta entrou em vigor no início de agosto.

O caso deu-se na tarde de sexta-feira num autocarro lotado em Draveil. O homem apalpou uma jovem de 21 anos e fez comentários insultuosos sobre ela e o seu peito. Perante o comportamento, o motorista parou e fechou as portas do autocarro, à espera da polícia. O homem atacou-o mas acabou detido por agentes da polícia pouco depois.

Foi condenado ao pagamento da multa e também a nove meses de prisão, incluindo seis de pena suspensa, pelo ataque contra o motorista. A suspensão de uma sentença anterior foi revogada em três meses, pelo que, segundo o jornal “Le Parisien”, o homem deverá passar seis meses atrás das grades, uma pena que já está a cumprir desde sexta-feira. O seu nome também será incluído no arquivo de autores de infrações sexuais ou violentas.

“As leis são realmente úteis quando aplicadas”, disse esta terça-feira a secretária de Estado para a igualdade entre mulheres e homens, Marlène Schiappa. “Gostaria de saudar o envolvimento do motorista que desempenhou o seu papel de testemunha vigilante, bem como a capacidade de resposta da instituição judicial que abre um precedente legal. A partir de agora, os agressores e os assediadores devem saber que o tempo de impunidade acabou”, acrescentou a governante.

No Twitter, Schiappa voltou a congratular-se com “a primeira condenação por ofensa sexista”, apelando ao “fim das violências sexistas e sexuais”.