Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Chinês radicado nos EUA acusado de espionagem

Fairfax Media/Getty Images

O suspeito trabalhava alegadamente sob ordens de altos funcionários dos serviços secretos da República Popular da China e tinha como tarefa fornecer informação sobre oito pessoas para possível recrutamento

Um cidadão chinês radicado em Chicago, nos Estados Unidos, foi detido na terça-feira, por suspeitas de espionagem, incluindo apoiar no recrutamento de engenheiros norte-americanos, contratados da Defesa e cientistas, para os serviços secretos chineses.

Ji Chaoqun, de 27 anos, é acusado de atuar nos EUA, de forma consciente, como agente de um governo estrangeiro.

O suspeito trabalhava alegadamente sob ordens de altos funcionários dos serviços secretos da República Popular da China e tinha como tarefa fornecer informação sobre oito pessoas para possível recrutamento.

Ji fez compareceu num tribunal federal de Chicago, perante o juiz Michael T. Mason.

Durante a audiência, de 15 minutos, Ji recorreu a um intérprete, mas quando questionado pelo juiz se tinha percebido os seus direitos, levantou a cabeça e disse que sim, em inglês, descreveu a agência de notícias Associated Press.

Na audiência, a Procuradora-Geral Assistente Shoba Pillay afirmou que Ji incorre, caso seja condenado, numa pena de prisão de até 10 anos, em estabelecimento prisional federal.

O juiz Madson ordenou que o cidadão chinês seja mantido em custódia por agora.

A queixa-crime, de 17 páginas, indica que Ji chegou aos EUA, em 2013, com visto de estudante, para frequentar uma licenciatura em engenharia, no Instituto de Tecnologia de Illinois, em Chicago.

Em 2016, Ji alistou-se nas reservas do exército norte-americano, num programa que permite a imigrantes que vivem legalmente no país servir nas forças armadas, caso as suas competências sejam consideradas vitais para os interesses nacionais.