Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

A crise das agulhas na fruta australiana já está a afetar outros países

Braetop Berries, produtor australiano de morangos, entre os muitos frutos que serão destruidos na sequência do "mistério das agulhas"

PATRICK HAMILTON/Getty

Começou com agulhas encontradas em morangos e, pouco depois, começaram também a aparecer em maçãs, mangas e laranjas. Agora já há notícias de que a fruta adulterada esteja a chegar a outros países

O problema das agulhas encontradas em várias frutas com proveniência australiana já se espalhou a outros países. Desta vez, um homem em Mahota, Singapura, encontrou uma espécie de fio metálico numa série de morangos importados de Perth, episódio que levou o maior supermercado da cidade-Estado a banir a importação de morangos australianos.

Mais agulhas foram encontradas nesta mesma fruta em Auckland, na Nova Zelândia. Só durante este mês de Setembro já foram notícia mais de 100 casos de agulhas escondidas em várias frutas e o governo australiano aprovou, de urgência, no dia 20 de setembro, uma lei que impõe penas de prisão até 15 anos para qualquer pessoa ou empresa que adultere fruta.

O jornal “The Strait Times”, que revelou o caso de Singapura, o primeiro fora da Austrália diz também que a cadeia de lojas Sheng Siong, a terceira maior de Singapura, exigiu aos seus fornecedores que usem detectores de metais para verificar cada embalagem de morangos. Já a TV New Zealand 1 disse no domingo que várias agulhas foram encontradas na loja Countdown, em Auckland. Esta cadeira proibiu a venda de uma marca específica de morangos desde então.

Mas a adulteração de fruta não se limita aos morangos. Foram encontradas agulhas em mangas, maçãs, bananas e laranjas desde que a primeira notícia sobre a crise foi publicada, a 9 de setembro.

O primeiro caso aconteceu em New South Wales e o superintende desta província não desvalorizou o assunto: “As consequências são desastrosas. É um ato de traição para com a comunidade de New South Wales e para com toda a nação”, disse o superintendente Danny Doherty, citado pelo portal de notícias news.com.au. Só em New South Wales registaram-se 20 incidentes. “Não é uma brincadeira engraçada, estamos a falar de crianças que quase comeram um destes morangos”, acrescentou.