Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

EUA impõem sanções à China pela compra de jatos militares russos e mísseis terra-ar

ALEXEY NIKOLSKY/AFP/Getty Images

Tais aquisições violam as sanções impostas por Washington a Moscovo, na sequência da anexação russa da Crimeia em 2014 e da alegada interferência do Kremlin nas eleições americanas de 2016, revela o Departamento de Estado norte-americano. Pequim, que não aderiu às sanções, comprou recentemente 10 caças russos e mísseis

Os EUA impuseram sanções às Forças Armadas chinesas pela compra de jatos militares russos e mísseis terra-ar. O Departamento de Estado norte-americano, que esta quinta-feira revelou a informação, esclareceu que tais aquisições violam as sanções impostas por Washington a Moscovo, na sequência da anexação russa da Crimeia em 2014 e da alegada interferência do Kremlin nas eleições americanas de 2016.

Pequim, que não aderiu às sanções, comprou recentemente 10 caças russos e mísseis e participou nos recentes jogos de guerra de grande envergadura que a Rússia levou a cabo.

O Departamento chinês de Desenvolvimento de Equipamentos (EDD, na sigla em inglês) e o seu líder, Li Shangfu, são sancionados por concluírem “transações significativas” com a Rosoboronexport, a exportadora de armas estatal da Rússia.

Shangfu e a EDD foram adicionados a uma lista de pessoas bloqueadas, o que significa que quaisquer bens que detenham nos EUA estão congelados e que os americanos estão “genericamente proibidos” de fazer negócios com eles. O EDD fica também excluído do sistema financeiro americano, sendo-lhes negadas licenças de exportação.

Washington também colocou na lista negra mais 33 pessoas e entidades associadas às Forças Armadas e serviços de informação russos.

O deputado do Parlamento russo Franz Klintsevich disse que as sanções norte-americanas não teriam impacto na venda de caças e mísseis. “Estou certo de que estes contratos serão executados de acordo com o programado. A posse deste equipamento militar é muito importante para a China”, acrescentou, citado pela agência russa de notícias Interfax.