Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Putin atribui abate de avião russo a “circunstâncias trágicas”

EPA

Depois de o Ministério da Defesa russo ter acusado Israel de ações “hostis” após o incidente, Vladimir Putin procura serenar os ânimos: “Israel não abateu o nosso avião”, disse

Num aparente esforço para acalmar as tensões após o incidente, o Presidente Vladimir Putin atribuiu o abate de um avião de reconhecimento russo na Síria a “uma cadeia de circunstâncias trágicas”, prometendo reforçar a segurança das tropas russas naquele país. As declarações de Putin seguiram-se à posição manifestada pelo Ministério da Defesa russo, que acusou Israel de ações “hostis”.

“Parece uma cadeia de circunstâncias trágicas”, afirmou Vladimir Putin esta terça-feira numa conferência de imprensa conjunta com o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, recusando comparações com o abate de um caça russo pela Turquia em novembro de 2015, que deu origem a uma grave crise diplomática.

O avião russo foi abatido a cerca de 30 quilómetros da costa síria pelas defesas antiaéreas sírias, que visavam alegadamente caças israelitas que tinham acabado de atacar um alvo no norte da Síria. Os 15 tripulantes morreram.

As autoridades de defesa da Rússia descreveram as manobras dos caças durante o incidente como “hostis” e disseram que tinham o direito de retaliar.

“Os pilotos israelitas estavam a usar a aeronave russa como um escudo e colocaram-na na linha de fogo da defesa síria”, afirmou Igor Konashenkov, porta-voz do Ministério da Defesa russo.

Horas depois, apesar de sublinhar o sue apoio ao comunicado do Ministério da Defesa, Putin foi claro: “Israel não abateu o nosso avião”.

Israel lamentou o acidente, mas atribuiu o erro ao regime de Bashar al-Assad e aos seus aliados.

Em comunicado, as Forças Armadas israelitas afirmaram que as baterias antiaéreas sírias “dispararam indiscriminadamente” e “não se preocuparam”em assegurar-se de que não havia aviões russos no ar.

Segundo Israel, os seus aviões atacaram instalações do exército sírio onde estava a ser preparada uma entrega ao movimento xiita libanês Hezbollah, por ordem do Irão, de componentes de armas de precisão, mas, quando o avião russo foi abatido, os caças israelitas “já estavam dentro do espaço aéreo israelita”.