Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Presidente da Polónia sugere base norte-americana no país e propõe um nome: Forte Trump

Tasos Katopodis-Pool/Getty Images

Em conferência de imprensa na Casa Branca, com o Presidente dos EUA ao lado, Andrzej Duda mostrou-se disposto a pagar mais de dois mil milhões de dólares para o projeto. “Estou convencido de que não há método mais eficaz para evitar uma guerra do que mostrar que estamos prontos a repelir um ataque a qualquer momento”, disse, referindo-se à Rússia

A Polónia está disposta a desembolsar pelo menos dois mil milhões de dólares (cerca de 1,7 mil milhões de euros) para o estabelecimento de uma base militar norte-americana no seu território e até poderá chamá-la “Forte Trump”. Em conferência de imprensa conjunta, esta terça-feira na Casa Branca, com o seu homólogo polaco Andrzej Duda, o Presidente dos EUA afirmou estar a estudar “muito seriamente” a proposta.

Duda apelou a Trump para “mobilizar mais soldados americanos para a Polónia”, dizendo esperar que o seu interlocutor “tome a decisão de implantar mais unidades e equipamentos” no país. “Gostaria de ver uma base americana permanente na Polónia”, acrescentou, sugerindo em seguida dar-lhe o nome do atual Presidente norte-americano.

O chefe de Estado polaco também chamou longamente a atenção para o que apelidou de “comportamento agressivo” da Rússia, referindo-se em particular à situação na vizinha Geórgia e na Crimeia, que fazem parte da “violação permanente do direito internacional” por parte de Moscovo. “Há toda uma panóplia de argumentos a favor que tornam a presença de forças armadas dos EUA na região absolutamente justificada”, disse ainda.

“Estou convencido de que não há método mais eficaz para evitar uma guerra do que mostrar que estamos prontos a repelir um ataque a qualquer momento”, concluiu Duda. Por seu turno, Trump concordou que “há muita agressividade nesta situação” e que “a Rússia agiu de forma agressiva”. “Eles respeitam a força. E nós temos a maior força do mundo, sobretudo neste momento”, garantiu.

Em comunicado, a Casa Branca revelou depois que “os EUA estão comprometidos em explorar as opções para um papel mais importante do exército americano na Polónia”, comprometendo-se a “intensificar as consultas para determinar a viabilidade do projeto”. “Os resultados desses esforços contribuirão para a defesa não apenas da Europa Central e Oriental mas também da Aliança como um todo”, acrescentou, referindo-se à NATO, de que a Polónia é um estado-membro.

O secretário norte-americano da Defesa, Jim Mattis, viria mais tarde a saudar os esforços polacos para aumentar o seu orçamento militar, insistindo, contudo, que nenhuma decisão fora tomada sobre uma possível base dos EUA no país. “As questões são numerosas. Não se trata apenas de uma base mas também de zonas de treino, de infraestruturas de manutenção dentro da base. São muitos detalhes que precisamos de estudar com os polacos”, disse a jornalistas no Pentágono.

  • Para castigar um país por décimas do défice não são precisas as unanimidades e os formalismos necessários para as sanções a Viktor Orbán. O que são milícias na rua de Budapeste ao pé de uma dívida que fique por pagar ao Deutsche Bank? Nesta União, é mais fácil impor uma privatização ou uma reforma da lei do trabalho do que garantir a separação de poderes e a liberdade de imprensa