Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Livro de Pedro Sánchez copia parágrafos de conferência de diplomata

OSCAR DEL POZO/Getty

Pedro Sánchez e Ocaña “reproduzem no seu livro de 2013, sem aspas nem citar a fonte original, parágrafos de cinco das sete páginas de uma conferência que o diplomata espanhol Manuel Cacho fez num simpósio na Universidade Camilo José Cela”, noticiou o jornal El País

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, e o economista Carlos Ocaña copiaram no livro "A Nova Diplomacia da Economia Espanhola" parágrafos de uma conferência que o diplomata Manuel Cacho fez na Universidade Camilo José Cela, noticiou nesta quarta-feira o El País.

Segundo a edição digital do diário El País, "a Moncloa [sede da presidência do governo espanhol] assegurou tratar-se de um erro involuntário", embora o jornal diga que Pedro Sánchez e Ocaña "reproduzem no seu livro de 2013, sem aspas nem citar a fonte original, parágrafos de cinco das sete páginas de uma conferência que o diplomata espanhol Manuel Cacho fez num simpósio na Universidade Camilo José Cela (UCJC) em 25 de fevereiro de 2013". O El País refere ainda que Pedro Sánchez organizou o evento no qual interveio o diplomata e foi "o moderador de uma das mesas redondas".

Já o economista Carlos Ocaña, coautor do livro, "não quis fazer declarações" ao matutino. Num comunicado enviado à agência Efe, em 13 de setembro último, Ocaña, negou "qualquer autoria, total ou parcial, da tese de doutoramento de Pedro Sánchez" e explicou que, depois de este a ter terminado, "colaborou com ele na publicação do livro que se baseia na tese".

No dia seguinte, o governo espanhol assegurou que a tese de doutoramento do primeiro-ministro, Pedro Sánchez, passou nas análises anti-plágio feitas em dois portais especializados na deteção deste tipo de anomalias.

O executivo de Madrid publicou os resultados de dois programas ("software") que assegura estarem entre os mais reconhecidos para detetar a possibilidade de plágio de um texto tanto a nível nacional como internacional: o Turnitin, utilizado na Universidade de Oxford (uma das mais importantes instituições de ensino do Reino Unido), e o PlagScan, que é uma referência na Europa.

Antes, Pedro Sánchez negara veementemente ter plagiado a sua tese de doutoramento, garantindo que eram "rotundamente falsas" as dúvidas lançadas pelo líder político de um partido da oposição que depois foram desenvolvidas pela imprensa.