Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

EUA dispostos a retomar “imediatamente” negociações com Coreia do Norte

Mike Pompeo

Jahi Chikwendiu/The Washington Post/Getty Images

Mike Pompeo, afirmou ter “convidado esta manhã” o seu homólogo norte-coreano, Ri Yong-ho, para uma reunião na próxima semana, em Nova Iorque, à margem da Assembleia-Geral anual da ONU

Os Estados Unidos saudaram nesta quarta-feira os "compromissos importantes" assumidos pela Coreia do Norte na cimeira intercoreana de Pyongyang e declararam-se dispostos a retomar "imediatamente" as negociações para uma "desnuclearização rápida", a concluir "até janeiro de 2021". Em comunicado, o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, afirmou ter "convidado esta manhã" o seu homólogo norte-coreano, Ri Yong-ho, para uma reunião "na próxima semana, em Nova Iorque", à margem da Assembleia-Geral anual da ONU.

"Os Estados Unidos felicitam o Presidente [sul-coreano] Moon Jae-in e o Presidente [norte-coreano] Kim Jong-un pelo resultado positivo da sua cimeira em Pyongyang", declarou, saudando o facto de os dois dirigentes terem "reafirmado" o compromisso para uma "desnuclearização completa da Península Coreana".

Pompeo aplaudiu particularmente a decisão norte-coreana de "completar o desmantelamento já anunciado do 'site' de Tongchang-ri", dedicado aos testes de motores de mísseis, "na presença de inspetores norte-americanos e internacionais", bem como a proposta de um "desmantelamento permanente de todas as instalações em Yongbyon na presença de inspetores norte-americanos e da Agência Internacional da Energia Atómica".

Kim Jong-un declarou-se disposto a encerrar essas instalações nucleares na condição de Washington tomar "medidas correspondentes", às quais Mike Pompeo não faz qualquer referência no seu comunicado. "Com base nestes compromissos importantes", que são passos "no sentido da desnuclearização definitiva e totalmente verificada" pretendida pelos Estados Unidos, estes "estão dispostos a retomar imediatamente negociações para transformar as relações" entre os dois países, anunciou o chefe da diplomacia norte-americana.

Tais negociações encontravam-se "em ponto morto" após a histórica cimeira de junho entre o inquilino da Casa Branca, Donald Trump, e o seu homólogo norte-coreano, na qual este reiterou um compromisso antigo e vago de avançar para a "desnuclearização completa da Península Coreana", mas sem medidas concretas ou prazo definido.

Além do possível encontro entre os chefes da diplomacia dos dois países na próxima semana, a Administração Trump também "convidou representantes norte-coreanos para se reunirem" com o representante especial dos Estados Unidos para a Coreia do Norte, Stephen Biegun, em Viena, "na primeira oportunidade possível".

"Isso marcará o arranque das negociações para transformar as relações entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte através do processo de desnuclearização rápida da Coreia do Norte, que deverá estar terminado até janeiro de 2021", ou seja, antes do fim do mandato de Trump na Casa Branca, indicou Mike Pompeo, para garantir que o 'número um' de Pyongyang partilha este calendário.

O secretário de Estado acrescentou ainda que tal permitirá também "construir um regime de paz estável e duradoura na Península Coreana", embora sem precisar se o Governo norte-americano está pronto para concluir rapidamente uma declaração ou um tratado de paz para pôr formalmente fim à Guerra da Coreia, que terminou em 1953 apenas por um simples armistício.