Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Acusações a Kavanaugh. Trump tem curiosidade em ouvir o depoimento de Christine Blasey Ford no Senado

Win McNamee/ Getty Images

Donald Trump quer ouvir Christine Blasey Ford, a mulher que acusa Kavanaugh de abuso sexual, na Comissão Judicial do Senado esta segunda-feira. Mas a defesa da alegada vítima assegura que esta não vai falar antes de terminada a investigação do FBI

Donald Trump tem “muita dificuldade” em imaginar que Brett Kavanaugh, o juiz cujo nome apontou para liderar o Supremo Tribunal de Justiça dos EUA, seja culpado das acusações que lhe são feitas por Christine Blasey Ford, que diz ter sido vítima de abuso sexual. De partida para a Carolina do Norte, esta quarta-feira, o Presidente norte-americano disse estar curioso para ouvir o que Christine Blasey Ford tem a dizer.

“Quero muito ouvi-la. Quero mesmo ouvir o que tem para dizer”, disse Trump aos jornalistas, pouco antes de visitar as áreas afetadas pelo furacão Florence. “Se ela testemunhar e for credível, será muito interessante e teremos de tomar uma decisão”, acrescentou.

A audição de Christine Blasey Ford pela Comissão Judicial do Senado está marcada para segunda-feira, apesar de os seus advogados terem dito que a sua cliente não vai testemunhar antes de a investigação do FBI estar terminada. Os Democratas concordam, mas os Republicanos asseguram que a audição vai acontecer, mesmo que apenas seja ouvido Kavanaugh.

Para o Presidente, a acusação “já teve o tempo” necessário, insinuando que quer que Ford esteja presente na segunda-feira. “Se aparecer, vai ser magnífico. Caso não apareça, vai ser infeliz”, considerou.

Trump mantém a confiança no homem que apontou para líder do Supremo e garantiu: “é um homem extraordinário”, de “grande intelecto” e com “um registo imaculado”. “É muito difícil para mim imaginar que alguma coisa aconteceu. É muito complicado para ele e para a sua família, e queremos que isto passe.”

Já na terça-feira, Trump tinha defendendo que o FBI não deveria investigar o incidente, alegando que, antes de propor o nome para o cargo, o FBI fez uma série de investigações sobre o percurso de Kavanaugh e nada detetou.

Christine Blasey Ford garante que Kavanaugh e um amigo, ambos alcoolizados, a encurralaram num quarto durante uma festa no início dos anos 1980. Segundo o relato, o agora juiz, de 53 anos, apalpou-a, tentou tirar-lhe a roupa e tapou-lhe a boca para que não gritasse. “Pensei que inadvertidamente me matasse”, disse ao jornal. O relato foi publicado no domingo pelo jornal norte-americano “The Washington Post” e foi a primeira vez que Ford falou sobre a alegada agressão sexual. Kavanaugh negou as acusações.

Já esta quarta-feira, os advogados de Christine Blasey Ford garantiram que esta não vai testemunhar no Senado na segunda-feira, pretendendo antes disso uma investigação do FBI ao juiz Brett Kavanaugh. Desde que tornou o caso público, Ford viu-se forçada a tirar a família de casa, o seu email terá sido invadido e a sua identidade online roubada.