Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Presidente da Coreia do Sul aclamado em Pyongyang na terceira cimeira intercoreana este ano

Pyeongyang Press Corps/Getty Images

Moon Jae-in e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, desfilaram pelas ruas da capital da Coreia do Norte num veículo aberto e sob os aplausos de milhares de pessoas. Na agenda da visita de três dias estão a desnuclearização da península, cujo progresso Moon gostaria de apresentar a Trump no final do mês, e os negócios entre as duas Coreias

O Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, percorreram, esta terça-feira, as ruas de Pyongyang perante os aplausos de milhares de pessoas. Kim recebeu o seu convidado no aeroporto internacional da capital da Coreia do Norte. Assim que Moon desceu os degraus do avião, os dois líderes abraçaram-se.

Centenas de pessoas agitaram bandeiras norte-coreanas e bandeiras da unificação, representando uma península unida. Milhares, segurando flores e cantando em uníssono “Reunificação do país!”, estavam alinhadas nas ruas da cidade enquanto Kim e Moon passavam num veículo aberto.

A agência de notícias da Coreia do Norte disse que a cimeira de três dias “oferecerá uma importante oportunidade para acelerar ainda mais o desenvolvimento das relações intercoreanas, que estão a criar uma nova história.” A primeira visita de um líder sul-coreano a Pyongyang numa década é também o terceiro encontro entre os dois só este ano, após duas cimeiras, em abril e maio, na zona desmilitarizada que divide a península.

Moon voltará a mediar reaproximação entre Kim e Trump

Moon tem sido fundamental na mediação do degelo diplomático que já conduziu a uma cimeira histórica entre Kim e o Presidente dos EUA, Donald Trump, em Singapura, em junho. Na altura, Kim concordou com a desnuclearização da península mas não foram acordados detalhes entre Washington e Pyongyang.

Os EUA estão a pressionar para que a Coreia do Norte avance no caminho da “desnuclearização final e totalmente verificada”, enquanto Pyongyang pretende uma declaração formal do fim da Guerra das Coreias e condenou as exigências “semelhantes a gangsters” para que abandone o programa nuclear unilateralmente.

Se levar ao reinício do diálogo EUA-Coreia do Norte, visita “já terá sido suficientemente significativa”

Estão agendadas pelo menos duas conversas entre Kim e Moon, em que este tentará convencer o líder norte-coreano a dar passos substanciais para o desarmamento. Moon apresentará a Trump os resultados quando se encontrarem no final do mês à margem da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque.

“Se esta visita de alguma forma levar ao reinício das conversações entre os EUA e a Coreia do Norte, já terá sido suficientemente significativa”, revelou Moon, antes da partida.

O Presidente sul-coreano viajou acompanhado por magnatas de negócios, incluindo o herdeiro da Samsung e o vice-presidente da Hyundai, e deverá visitar os principais locais de Pyongyang com a sua delegação.