Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Presidente cubano acusa Trump de esfriar as relações entre Cuba e EUA

ALEJANDRO ERNESTO / Getty

Os Estados Unidos e Cuba restabeleceram relações diplomáticas durante o mandato do Presidente Barack Obama. Com a chegada de Donald Trump ao poder, o “degelo nas relações” estancou, afirmou em entrevista Miguel Diaz-Canel

O Presidente cubano, Miguel Diaz-Canel, considerou que as relações entre Havana e Washington registaram um "recuo" com a chegada do homólogo norte-americano, Donald Trump, à Casa Branca.

"Queremos diálogo mas tem de ser entre iguais e que nos respeite, e que a nossa independência e soberania não sejam condicionadas porque não aceitamos imposições e não estamos dispostos a fazer concessões", disse o chefe de Estado cubano em entrevista à estação de televisão Telesur, transmitida esta segunda-feira.

Os Estados Unidos e Cuba restabeleceram relações diplomáticas durante o mandato Presidente Barack Obama após quase meio século de crise entre os dois países.

Com a chegada de Donald Trump ao poder, o "degelo nas relações" entre os Estados Unidos e Cuba estancou.

Para o Presidente cubano, os Estados Unidos querem impor o neoliberalismo na América Latina para que o "exemplo" de Cuba não se repita na região.

"Os norte-americanos não querem que Cuba se repita em outros pontos da América Latina" disse Miguel Diaz-Canal, que acusa Trump de estar a "pressionar os povos" da região através de estratégias políticas e económicas como a "tomada" de "posições que são contrárias à Venezuela".

Trata-se da primeira entrevista a Diaz-Canal, 58 anos, que sucedeu a Raul Castro no passado mês de abril.

A entrevista à Telesur, transmitida esta segunda-feira, foi gravada "nos últimos dias", em data que não foi especificada pela rede de televisão estatal com sede na Venezuela.