Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Erdogan anuncia reforço da presença militar turca em Chipre

Kayhan Ozer/Anadolu Agency/Getty Images

A intervenção surgiu na sequência da tentativa fracassada de um golpe de Estado promovido por setores ultranacionalistas cipriotas gregos, coniventes com a Junta militar então no poder em Atenas, que pretendiam a união do país à Grécia

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, revelou esta segunda-feira que o seu país vai reforçar a presença militar na parte norte da ilha dividida de Chipre, imposta na sequência da intervenção do exército da Turquia em 1974.

“Não vamos reduzir o número dos nossos soldados aí, mas pelo contrário, vamos aumentá-lo”, declarou Erdogan aos jornalistas a bordo do avião no regresso de uma vista ao Azerbaijão.

Chipre, com um milhão de habitantes e cerca de um terço da superfície do Alentejo, está dividida desde a invasão da parte norte da ilha pelo exército turco em 1974.

A intervenção surgiu na sequência da tentativa fracassada de um golpe de Estado promovido por setores ultranacionalistas cipriotas gregos, coniventes com a Junta militar então no poder em Atenas, que pretendiam a união do país à Grécia.

Esta perspetiva tinha suscitado uma profunda inquietação entre minoria cipriota turca, num país independente da tutela britânica desde 1960, mas com frequentes conflitos interétnicos.

A República de Chipre, membro da União Europeia (UE) desde 2004 – e da zona euro desde 2008 – apenas controla os dois terços desta ilha do Mediterrâneo oriental, com cerca de 37% do território a norte sob domínio da autoproclamada República Turca de Chipre do Norte (RTCN), apenas reconhecida por Ancara e ocupada pelo exército turco.

Cerca de 35 mil soldados turcos estão estacionados na RTCN, e a sua presença permanece um dos principais obstáculos ao progresso das negociações sobre a reunificação da ilha.

A última ronda negocial, em julho de 2017, sob os auspícios da ONU, voltou a fracassar.

No entanto, e ao contrário de recentes informações dos media, Erdogan assegurou esta segunda-feira que o seu país não prevê estabelecer uma base naval em Chipre.

“Não temos necessidade de construir aí uma base naval”, disse, sublinhado que o seu país se encontra a “alguns minutos” das costas cipriotas turcas.

O chefe de Estado da Turquia considerou que a presença de uma base turca na RTCN teria essencialmente “uma dimensão psicológica”.

“Se sentirmos essa necessidade, vamos fazê-lo”, acrescentou.

As tensões entre a Turquia, e os aliados Chipre e Grécia, concentraram-se nos últimos meses na exploração das jazidas de gás que decorrem em águas cipriotas.

Ancara tem exigido a suspensão de toda a exploração enquanto não for encontrada uma solução para a divisão de Chipre.

Em fevereiro, a marinha turca impediu um navio fretado pela companhia energética italiana Eni de alcançar o bloco número 3 para realizar prospeções. O navio foi forçado a abandonar as águas cipriotas.

A UE condenou as “ações ilegais” da Turquia ao largo de Chipre após o bloqueio do navio.