Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Mulher que acusa juiz norte-americano de agressão sexual fala pela primeira vez

Chip Somodevilla/Getty Images

Em entrevista ao “The Washington Post”, Christine Blasey Ford, hoje com 51 anos, afirma que durante uma festa, no começo dos anos 1980, Brett Kavanaugh, candidato de Donald Trump ao Supremo Tribunal dos EUA, encurralou-a num quarto com a ajuda de um colega, apalpou-a, tentou tirar-lhe a roupa e tapou-lhe a boca para não gritar

A mulher que acusa o juiz norte-americano Brett Kavanaugh de agressão sexual falou este domingo, publicamente, pela primeira vez sobre o caso, que terá ocorrido há mais de trinta anos, quando ambos eram adolescentes. Kavanaugh é o candidato do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ao Supremo Tribunal.

Em entrevista ao jornal "The Washington Post", Christine Blasey Ford, hoje com 51 anos, afirma que Brett Kavanaugh e um amigo, ambos alcoolizados, encurralaram-na num quarto durante uma festa no começo dos anos 1980.

Segundo o relato publicado hoje, o agora juiz, de 53 anos, ter-lhe-á apalpado o corpo, tentou tirar-lhe a roupa e tapou-lhe a boca para não gritar. "Pensei que, inadvertidamente, me matasse", lê-se no jornal.

A revelação surge dias depois de o juiz ter contestado veementemente aquelas alegações. Este domingo voltou a negar tudo.

Antes de se saberem estas declarações, a revista "The New Yorker" revelou que uma mulher, que pediu para não ser identificada, contactou em julho os democratas no Congresso. Afirma que no início da década de 1980, quando o juiz Brett Kavanaugh frequentava o liceu em Bethesda, arredores de Washington, tentou agredi-la sexualmente, mantendo-a à força no chão.

Esta mulher, Christine Blasey Ford, que diz ter conseguido libertar-se, afirma que esta recordação constituiu um drama para si, e teve de recorrer a um psicólogo para enfrentar a situação.

O magistrado foi escolhido por Trump para o Supremo Tribunal através de uma lista fornecida por associações conservadoras, mas cabe ao Senado validar a sua nomeação vitalícia.

Caso o Senado avance rapidamente, como se admite, o juiz Kavanaugh poderá assumir funções a tempo para o recomeço das audiências no Supremo Tribunal, a 1 de outubro.