Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Agente fronteiriço mata 4 prostitutas no Texas e acaba apanhado antes de fazer mais uma vítima

Juan David Ortiz foi preso depois da potencial quinta vítima estranhar o seu comportamento e fugir

Luís M. Faria

Jornalista

Um assassino em série que terá matado quatro prostitutas junto à cidade de Laredo, no Texas, foi detido esta sábado e vai ficar preso até ao julgamento, depois de um juiz ter estabelecido uma fiança de dois milhões e meio de dólares (2,15 milhões de euros).

Juan David Ortiz, de 35 anos, não é um cidadão qualquer. Há dez anos que trabalha como supervisor na patrulha fronteiriça, e o facto de duas das alegadas vítimas serem de nacionalidade indefinida, provavelmente oriundas da América Latina – as outras duas são norte-americanas – pode potencialmente suscitar reações que as autoridades locais procuram evitar.

Ortiz terá começado a sua série de assassínios a 3 de setembro, quando aliciou Melissa Ramirez a entrar na sua carrinha. Levou-a para os arredores da cidade e a certa altura, quando ela precisou de urinar e lhe pediu que parasse, deixou-a sair da carrinha e deu-lhe vários tiros na cabeça. O crime seguinte, com um modus operandi semelhante, foi no dia 13. Houve outros dois a 15, um deles com uma pessoa transgénero.

Enquanto serial killer, Ortiz acabou por ser apanhado relativamente depressa, ao fim de menos de duas semanas, e foi quase por acaso. Aconteceu que a mulher que ele escolhera para ser a quinta vítima, Erika Pena, teve uma reação rápida. Tal como as anteriores, deixou-se convencer a entrar na carrinha de Ortiz. Mas quando os dois começaram a falar, ele mencionou o nome da sua amiga Melissa, que tinha desaparecido, e estranhou a reação que ele teve.

Percebendo que estava em risco, Pena tentou logo sair do carro. Ortiz agarrou-lhe a camisola e apontou-lhe uma arma, mas por sorte eles estavam parados numa estação de serviço. Pena tirou a camisola e saiu para fora a gritar, deparando com um guarda estadual. Ortiz ainda fugiu, mas tinha sido identificado.

Viria a ser encontrado não muito depois, escondido num camião parado junto a um hotel em Laredo. Deixou-se prender sem resistência e foi acusado de quatro raptos e homicídios agravados. As autoridades acham que ele foi mesmo o único autor dos crimes, e fizeram questão de dizer que ele não é de todo representativo do corpo policial a que pertence. "Não há a mínima sugestão de que ele tenha feito o que fez sob a cobertura da sua autoridade legal", garantiu o promotor público.