Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Síria. Turquia reforça postos militares antes da esperada ofensiva do regime no último bastião rebelde

Combatentes rebeldes em Idlib, no noroeste da Síria

ZEIN AL RIFAI/AFP/Getty Images

O ministro turco da Defesa advertiu que uma ofensiva conduzirá a uma “tragédia humanitária” e que “bombardear a região não só causará danos aos civis mas também levará à radicalização”. Estima-se que 2,9 milhões de pessoas vivam em partes das províncias de Idlib, Hama e Alepo, que são controladas por rebeldes e jiadistas apoiados pelos turcos

As autoridades turcas estão a reforçar os seus postos militares de observação no noroeste da Síria, zona controlada por rebeldes, antes da esperada ofensiva das tropas governamentais, segundo várias fontes.

Ativistas afirmaram esta quinta-feira ter visto um comboio militar em direção a alguns dos 12 postos criados no ano passado, ao abrigo de um acordo de apaziguamento com os aliados do regime sírio, a Rússia e o Irão. A Turquia apoia as fações rebeldes que tentam derrubar o Presidente Bashar al-Assad.

O ministro turco da Defesa, Hulusi Akar, advertiu entretanto que uma ofensiva conduzirá a uma “tragédia humanitária”. “Bombardear a região não só causará danos aos civis e à migração mas também levará à radicalização”, acrescentou o governante, citado pela agência de notícias turca Anadolu.

Quase três milhões de pessoas vivem na região que pode ser atacada a qualquer momento

De acordo com as Nações Unidas, um aumento acentuado das hostilidades e receios de nova escalada levaram mais de 38.500 pessoas a abandonarem a região desde o início do mês. Estima-se que 2,9 milhões de pessoas, incluindo um milhão de crianças, vivam em partes das províncias de Idlib, Hama e Alepo, que são controladas por rebeldes e jiadistas apoiados pelos turcos.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos, um grupo de monitorização sediado no Reino Unido, informou que um comboio turco entrou em Idlib através da passagem de Kafr Lusin, na quinta-feira de manhã. Em seguida, dividiu-se em dois, com uma das partes a seguir em direção ao norte de Hama e a outra em direção ao campo, perto da cidade de Maarate Anumane, no centro de Idlib, acrescentou o Observatório.