Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Professores catedráticos arrasam tese de doutoramento de Sánchez que já está disponível na internet

EZEQUIEL BECERRA/GETTY

Professores catedráticos de Economia afirmam que Pedro Sánchez não elaborou uma tese própria, nem chegou a conclusões originais no doutoramento. A tese já está na internet e disponível para consulta. O Palácio de Moncloa garante que dois softwares confirmaram o “conteúdo original” da monografia

Um grupo de professores catedráticos de Economia ouvidos pelo jornal “El Mundo” teceu duras críticas à tese de doutoramento do primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, sublinhando que se limita a recompilar leis e dados e não apresenta conclusões originais.

“A tese de Pedro Sánchez limita-se a fazer uma recolha de dados sem que haja uma hipótese científica por detrás. (...) É uma recompilação de leis e quadros”, afirmam os professores catedráticos que analisaram uma cópia da tese (com 342 páginas, pode ser consultada na internet) divulgada esta sexta-feira pelo diário espanhol.

Mais: segundo os peritos nenhuma revista de artigos científicos publicaria o trabalho de Sánchez. “Em Economia considera-se que uma tese é boa se gerar dois ou três artigos em revistas internacionais de prestígio e esta tese não deu origem a nenhum artigo. Não temos dúvidas que nenhuma revista de prestígio publicaria a tese”, acrescentam.

Segundo os docentes, Pedro Sánchez não elaborou uma tese própria, nem chegou a conclusões originais.“ A monografia não é boa em termos de qualidade científica e não revela novidades académicas”, insistem.

Em termos formais, os especialistas admitem que a tese está bem estruturada e escrita, mas os pontos positivos ficam por aqui.

Entretanto, o Palácio da Moncloa emitiu um comunicado em que esclarece que a tese do primeiro-ministro foi analisada por programas informáticos de deteção de plágio, tendo sido confirmado que apresenta um “conteúdo original”, refere o “El País”.

De acordo com o Governo, os softwares revelaram apenas 13% e 0,96% de coincidências que se justificam por “citações e referências bibliográficas” comuns em teses académicas.

As críticas à tese de doutoramento de Pedro Sánchez surgem um dia depois de o chefe do Governo espanhol ter negado a existência de plágio nos seus textos. “As informações que surgem num meio de comunicação que sustentam a existência de plágio na redação da minha tese são rotundamente falsas”, escreveu o governante na sua conta do Twitter. Sánchez anunciou ainda que irá avançar com ações legais, em defesa da sua “honra e da dignidade”.