Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Mogherini. Aliança com África será prioridade até final do mandato

Jack Taylor/Getty Images

A chefe da diplomacia europeia garante que a Aliança África-Europa será “uma grande prioridade” da Comissão Europeia no seus últimos 12 meses de mandato, defendendo que ainda tem espaço para progredir, sobretudo no plano comercial e de investimentos

A Alta-Representante da União Europeia para a Política Externa, Federica Mogherini, assegurou esta sexta-feira que a nova "Aliança África-Europa", proposta esta semana pela Comissão Europeia, será "uma grande prioridade" do executivo comunitário no seu último ano de mandato.

Numa conferência de imprensa sobre aquela que já é considerada uma das "bandeiras" das propostas anunciadas pelo presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, no seu último discurso sobre o "Estado da União", na quarta-feira passada perante o Parlamento Europeu, em Estrasburgo, a chefe de diplomacia da UE sublinhou esta sexta-feira em Bruxelas que a ideia é aprofundar ainda mais uma parceria que já mudou de paradigma nos últimos anos, mas que ainda tem espaço para progredir, sobretudo no plano comercial e de investimentos.

"Lembrar-se-ão que quando começámos o nosso mandato, há quatro anos, dissemos que já não era suficiente trabalhar apenas para África, e que queríamos mudar de paradigma e começar a trabalhar com África. Nestes últimos quatro anos temos construído passo a passo uma parceria diferente com África, uma parceria de iguais", começou por referir.

Considerando então que já foi, "de certa forma, virada a página, mudando da tradicional parceria do género doador-recetor, baseada na ajuda ao desenvolvimento e na ajuda humanitária, para uma parceria mais política, centrada na paz e segurança, e também económica", Mogherini declarou que "agora é dado um novo passo, com o lançamento desta aliança África-Europa para investimentos e empregos sustentáveis".

"E esta vai ser uma grande prioridade no ano de trabalho que temos pela frente", garantiu.

A Alta-Representante e vice-presidente da Comissão sublinhou que "a ajuda ao desenvolvimento manter-se-á", mas será dado um novo impulso às relações comerciais, económicas e de investimento, incluindo no sector privado.

Mogherini fez questão de reiterar que se trata de reforçar uma parceira que já é muito forte, a mais forte que África tem com o resto do mundo, desmistificando o alegado peso que a China tem vindo a ganhar no continente africano.

"Oiço muito falar sobre a presença da China em África, mas, para terem uma ideia, o comércio de África com a UE representa 36%, com a China é 16%, e enquanto o investimento direto estrangeiro da UE em África é 40%, o da China é 5%. Acho bom por isso que tenhamos noção do quão forte já é a nossa parceria. O que propomos agora é passá-la a um nível ainda elevado", declarou.

Uma das vertentes da nova aliança, que disse ser-lhe particularmente próxima do coração e do trabalho que tem desenvolvido à frente do Serviço Europeu de Ação Externa, é a do "investimento na geração jovem do continente, que por vezes é vista com uma bomba-relógio, quando é, na verdade, a maior oportunidade para o crescimento do continente".

Mogherini disse já ter contactado com muitos jovens empreendedores e jovens que estudam para ser empresárias, que "querem arduamente trabalhar para o desenvolvimento económico de África".

"Não são um fardo, são a energia do continente. O que lhes falta por vezes é acesso a formação e meios financeiros", apontou, acrescentando que "é por isso que este pacote propõe instrumentos" para facilitar a sua educação, como um esquema Erasmus para África com mais fundos e mais bolsas, estando previsto que 100 mil estudantes africanos possam beneficiar do programa "Erasmus+" ao longo dos próximos 10 anos.

A terminar, a Alta-Representante da UE deixou também um apelo aos Estados-membros da UE, no sentido de "serem coerentes": "quando dizem que África é uma prioridade e pedem-nos que coloquemos orçamento da UE nessa parceria, também têm que acrescentar orçamento nacional", tal como se comprometeram.

A proposta de uma nova "Aliança África-Europa" foi apresentada por Juncker na passada quarta-feira, tendo o presidente da Comissão declarado na ocasião que "África não necessita de caridade, precisa sim de uma verdadeira parceria equilibrada", que também é do interesse dos europeus.

Juncker apontou que se trata de uma aliança centrada nos investimentos e empregos sustentáveis e, tal como a concebe, permitiria criar "até 10 milhões de empregos em África ao longo dos próximos cinco anos".

A ideia passa por "criar um quadro que permita atrair investimento privado em África" e, nessa matéria, sublinhou, não se parte do zero, já que o fundo de investimento externo da União Europeia, lançado em 2016, "mobilizará mais de 44 mil milhões de euros de investimentos nos sectores público e privado em África".

A outra vertente central da nova aliança será o comércio, com Juncker a apontar que 36% do comércio de África já se faz com a Europa, mas as trocas comerciais entre os dois continentes são insuficientes.

  • Juncker apela à união mas voto contra a Hungria expõe fraturas no seio da UE

    No seu último discurso do estado da União, Juncker anunciou um reforço de dez mil soldados para policiar as fronteiras do continente mas rejeitou a ideia de fazer o mesmo nas fronteiras entre os países. Atacou os "nacionalismos malsãos" que dividem o continente - e deixou um aviso em particular para a Hungria. Já os eurodeputados decidiram que querem sancionar as violações do Estado de Direito no país de Orbán, mas este foi só o primeiro passo - é preciso que o Conselho Europeu decida o mesmo por unanimidade