Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Cerca de meia centena de deputados conservadores planeia apear Theresa May

Jack Taylor/Getty Images

O grupo, que se opõe às propostas da primeira-ministra britânica para um acordo pós-Brexit com a UE, reuniu-se esta terça-feira à noite para discutir como e quando poderiam forçá-la a abandonar as suas funções, revela a BBC. Alguns dos deputados já terão apresentado cartas de censura a May. Os eurocéticos defendem que os planos da chefe do Executivo significam que, mesmo depois de sair, o Reino Unido teria de cumprir os regulamentos comunitários

Um grupo de cerca de meia centena de deputados do Governo da primeira-ministra britânica Theresa May, que se opõe às suas propostas para um acordo pós-Brexit com a União Europeia (UE), reuniu-se esta terça-feira à noite para discutir como e quando poderiam forçá-la a abandonar as suas funções. A informação foi revelada esta quarta-feira pela BBC, que esclarece que os cerca de 50 deputados fazem parte do European Research Group (ERG), um grupo anti-UE dentro do Partido Conservador de May.

Citando fontes anónimas, a estação britânica revelou que alguns deles já apresentaram cartas de censura à primeira-ministra. Segundo as regras do partido, a eleição para uma nova liderança é acionada se 15% dos deputados conservadores, atualmente 48 dos seus 315 deputados, exigirem a votação de uma moção de censura.

May pretende que o Reino Unido permaneça numa zona de comércio livre de bens com a UE depois de abandonar o bloco comunitário em março do próximo ano. O ERG contesta o plano mas também já foi alvo de críticas por não apresentar uma alternativa detalhada à proposta da primeira-ministra.

A disputa interna no Partido Conservador subiu de tom no domingo quando o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros Boris Johnson comparou o plano de May a pôr um “colete suicida” na Constituição britânica. Os eurocéticos defendem que aceitar um acordo de livre comércio com a UE significaria que, mesmo depois de sair, o Reino Unido teria de cumprir os regulamentos comunitários.