Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Em 10 dias, mais de 100 mortos na costa da Líbia, revelam Médicos Sem Fronteiras

PAU BARRENA/AFP/Getty Images

Num dos casos, os náufragos terão pedido ajuda à Guarda Costeira italiana mas o barco em que seguiam começou a afundar antes da chegada de assistência. Os MSF trataram de sobreviventes que apresentavam queimaduras químicas resultantes dos derramamentos de gasolina do motor. Na altura do acidente, a navegação por telemóvel mostrava que não se encontravam longe da costa de Malta, relata um sobrevivente

Mais de 100 pessoas, incluindo 20 crianças, morreram no início de setembro depois de os seus barcos de borrachas naufragarem na costa da Líbia. A informação consta de um comunicado da organização não-governamental Médicos Sem Fronteiras (MSF), divulgado esta segunda-feira e citado pela estação Al Jazeera.

Entre as vítimas mortais encontra-se um par de gémeos, com cerca de 17 meses, e os seus pais, de acordo com um sobrevivente ouvido pelos MSF. Dois barcos partiram da costa líbia a 1 de setembro, cada um transportando dezenas de pessoas, a maioria proveniente de países africanos como a Argélia, Camarões, Egito, Gana, Mali, Nigéria e Sudão.

Segundo os relatos, o motor de um dos barcos falhou e a outra embarcação começou a esvaziar-se. Alguns conseguiram sobreviver agarrando-se a destroços flutuantes. Muitas pessoas foram levadas para o porto líbio de Homs pela Guarda Costeira do país. Na altura do acidente, a navegação por telemóvel mostrava que não se encontravam longe da costa de Malta, relata um sobrevivente.

Mais de mil pessoas afogadas desde o início do ano

Os náufragos terão pedido ajuda à Guarda Costeira italiana mas o barco começou a afundar antes da chegada de assistência. Os MSF trataram de sobreviventes que apresentavam queimaduras químicas resultantes dos derramamentos de gasolina do motor.

Em junho, na sequência da imposição de mais restrições pelo Governo de Itália e pela Guarda Costeira da Líbia, mais de 200 pessoas morreram afogadas no Mediterrâneo. De acordo com as Nações Unidas, pelo menos mil pessoas morreram no mar ao tentarem chegar à Europa desde o início do ano.