Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Cartoonista acusado de racismo por mostrar Serena Williams a ter uma birra

Jean Catuffe/Getty

A tenista reagiu mal às penalidades que o árbitro português lhe impôs e chamou-lhe ladrão

Luís M. Faria

Jornalista

Um cartoonista exagera sempre os traços físicos das pessoas que retrata. Se acontecer que a pessoa é negra, isso poderá constituir racismo? E se for mulher, é sexismo? São perguntas legítimas a propósito de um cartoon do australiano Mark Knight publicado no jornal Herald Sun e que está agora a dar polémica. A imagem mostra a tenista Serena Williams a ter uma birra épica durante uma partida, saltando sobre a sua raquete (no chão vê-se uma chucha caída). Ao longe, o árbitro fala com a sua adversária e pergunta: "Não pode simplesmente deixá-la ganhar?".

O cartoon é uma alusão ao que aconteceu no sábado, quando Williams perdeu a sua partida com a japonesa Naomi Osaka. A certa altura, indignada com uma penalidade que o árbitro português Carlos Ramos lhe impôs por ter recebido orientações à margem do campo, discutiu com ele. Não muito depois, atirou com a raquete e partiu-a, sendo novamente penalizada. Por fim, terá chamado ladrão e mentiroso a Ramos e foi castigada com um jogo.

Logo na altura houve acusações de sexismo, alegadamente por ser raro um tenista masculino ser castigado quando faz cenas semelhantes. Houve quem lembrasse problemas que aquele árbitro tem tido com outros jogadores famosos. Mas também houve quem notasse que as penalidades foram todas bem marcadas e que Williams é, ela própria, bastante temperamental.

Agora, a polémica transferiu-se para o cartoon. Também o seu autor, ao que parece, tem uma história de polémicas, algo difícil de evitar na profissão dele, quando se é bom. A escritora britânica J. K. Rowling não hesitou em entrar na discussão: "Parabéns por reduzir uma das maiores desportistas vivas a tropos racistas e sexistas e por transformar outra grande desportista num adereço sem rosto".

17 mil dólares de multas

Para Knight, a questão é mais simples. "Limitei-me a ver a jogadora Número Um do mundo , uma das maiores jogadoras de todos os tempos, que admiro e tenho desenhado muitas vezes, ter uma birra", explicou. "E posso dizer que quando desenhei o cartoon foi tipo 'sim, não é mau', e aí foi ele. Não esperava que fosse usado como símbolo de racismo e das políticas de género na América".

Acrescentou que estava habituado a receber cartas de leitores mas não a ter 80 milhões de críticos em cima dele e a ver a sua família ser alvo de ameaças, como agora aconteceu.

Quanto a Williams, que tem recebido a solidariedade de muita gente, incluindo membros do Congresso norte-americano, foram-lhe impostas três multas, no valor total de 17 mil dólares (14,67 mil euros). E perdeu a oportunidade de vencer o U.S Open, obtendo o seu 24º título num Grand Slam.